Início

  • Candidato de Renan Calheiros é eleito governador-tampão de Alagoas

    O deputado estadual Paulo Dantas e o médico José Wanderley Neto, ambos do MDB, foram eleitos neste domingo pela assembleia legislativa

    A Assembleia Legislativa de Alagoas elegeu, na tarde deste domingo (15/5), o deputado estadual Paulo Dantas (MDB) como novo governador do estado. Ele terá como vice o médico José Wanderley Neto (MDB).

    A chapa, apoiada pelo senador Renan Calheiros (MDB), conquistou 21 votos, enquanto Davi Maia (União), Cabo Bebeto (PL) e Danúbia Barbosa (Avante), tiveram apenas um voto cada.

    Já o cabo do Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas Luciano Valdomiro Silva Fontes não teve nenhum voto.

    Alagoas viveu um imenso imbróglio judicial, que chegou até a Suprema Corte do país, para eleger o governador-tampão do estado. As eleições chegaram a ficar suspensas após decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux.

    A situação opôs aliados do senador Renan Calheiros e do deputado Arthur Lira.

    Foi necessário uma eleição indireta pois, em abril, Renan Filho (MDB) deixou o cargo de governador para concorrer ao Senado. Segundo na linha sucessória, o ex-vice-governador Luciano Barbosa (MDB) já havia deixado o mandato em 2020, ao se eleger prefeito de Arapiraca.

    O presidente da assembleia, Marcelo Victor (MDB), aliado do grupo de Renan e Renan Filho, recusou-se a assumir a gestão estadual, para não ficar inelegível em outubro, quando disputará novamente uma cadeira no Legislativo estadual.

    Com as renúncias, o governador até então era o desembargador Klever Loureiro, presidente do Tribunal de Justiça do estado.

    Paulo Dantas ficará, nesse primeiro momento, até o fim do atual mandato, que se encerra em dezembro deste ano. No entanto, ele tentará se reeleger, agora com o voto popular, durante as eleições em outubro.

    Fonte: Metrópoles.

  • Deputado Zé Teixeira reivindica redutor de velocidade em Avenida de Rio Brilhante

    Teixeira recebeu pedido encaminhado pelo vereador José Maria Caetano. de Sousa (Nô) por meio do Requerimento nº 31/2022.

    Preocupado com a segurança de pedestres, ciclistas, motoristas, e motociclistas que diariamente trafegam por Rio Brilhante, o deputado estadual Zé Teixeira (PSDB) apresentou indicação solicitando ao Governo do Estado que seja feita a instalação de redutores de velocidade no trânsito (tipo quebra-molas) na Avenida Benjamin Constant, bem como da sinalização pertinente quanto à velocidade permitida nos segmentos, nas saídas para Dourados e Campo Grande, que dão acesso à BR-163, em Rio Brilhante.

    Segundo Zé Teixeira, os acidentes têm ocorrido com frequência no município por excesso de velocidade praticado por condutores e que a instalação de redutores de velocidade e da sinalização serão fundamentais para a redução de riscos que os moradores vêm suportando ao transitar pela Avenida Benjamin Constant, e ressalta os trechos nas proximidades com a BR-163.

    “Na saída para Dourados, cita a necessidade da instalação solicitada até o trevo do Clube Bangalô; já na saída para Campo Grande, seria desde o Posto de Combustíveis Tchê. Ambos os segmentos abrigam muitos ciclistas e pedestres que utilizam a Avenida Benjamin Constant diariamente para se deslocarem, o que torna ação fundamental para garantir a segurança de seus usuários. Trata-se, portanto, de importante reivindicação e a providência apontada levará benefícios de segurança no trânsito, no que pedimos pela análise e as providências que couberem, visando o atendimento ao reivindicado”, conclui Zé Teixeira.

    Fonte: Assessoria.

  • Pesquisa Quaest para o governo de MG: Zema tem 41%; Kalil, 30%; e Viana, 9%

    Levantamento foi feito com 1.640 entrevistados face a face entre os dias 6 e 9 de maio e tem margem de erro de 2,4 pontos percentuais

    Pesquisa Genial/Quaest para a eleição para o governo de Minas Gerais, divulgada em primeira mão pela CNN nesta sexta-feira (13), traz o governador Romeu Zema (Novo), pré-candidato à reeleição, à frente, com 41%, seguido pelo ex-prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), com 30%.

    Na sequência, aparece o senador Carlos Viana (PL), com 9%.

    De acordo com o levantamento, Zema venceria no primeiro turno, com 51,8% dos votos válidos.

    A proporção dos que dizem que irão votar em branco, anular ou deixar de votar chega a 11%. Os indecisos representam 10%.

    A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram entrevistadas 1.480 pessoas face a face entre os dias 7 e 10.

    O levantamento tem 95% de confiança. Ou seja, se 100 pesquisas fossem realizadas, ao menos 95 apresentariam os mesmos resultados dentro desta margem.

    A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral sob os números BR-06132/2022 e MG-00132/2022.

    Também foram testados dois cenários de segundo turno. Confira abaixo.

    Primeiro turno

    Intenção de voto estimulada para governador de Minas Gerais

    Cenário I

    • Romeu Zema (Novo) – 41%
    • Alexandre Kalil (PSD) – 30%
    • Carlos Viana (PL) – 9%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 11%
    • Indecisos – 10%

    Segundo turno

    Intenção de voto estimulada para governador de Minas Gerais

    Cenário I

    • Romeu Zema (Novo) – 48%
    • Alexandre Kalil (PSD) – 35%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 9%
    • Indecisos – 8%

    Cenário II

    • Romeu Zema (Novo) – 59%
    • Carlos Viana (PL) – 18%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 14%
    • Indecisos – 9%
    • Fonte: CNN
  • PP, coração do Centrão, destinou R$ 2 bilhões via orçamento secreto

    Mãe do ministro-chefe da Casa Civil, a senadora Eliane Nogueira acumulou os maiores valores dentro do partido, quase R$ 400 milhões

    Deputados e senadores do Progressistas (PP), partido do presidente da Câmara, Arhur Lira (AL), e do ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (PI), apadrinharam ao menos R$ 2.074.706.936,35 em emendas de relator (RP9), do chamado orçamento secreto, nos últimos dois anos.

    O dispositivo tem sido usado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) principalmente com o objetivo de negociar apoio de políticos do Centrão. O PP, pela força de seus líderes no Congresso e no governo Bolsonaro, é tido como o coração do bloco.

    O orçamento secreto multiplicou o total de verbas a que cada parlamentar têm direito. Deputados e senadores poderiam destinar R$ 15,940 milhões e R$ 16,279 milhões por meio de emendas individuais em 2020 e 2021, respectivamente. Em média, os filiados do PP ganharam mais R$ 42,340 milhões para apadrinhar no mesmo período (R$ 21,170 milhões por ano).

    Esses dados fazem parte de levantamento feito pelo Metrópoles, com base em ofícios enviados na segunda-feira (9/5) pelo Senado Federal e Congresso Nacional ao Supremo Tribunal Federal (STF).

    A Corte recebeu respostas de 340 deputados federais e 64 senadores (68% do total). Entre os parlamentares filiados ao PP, 14 deputados não enviaram respostas à Suprema Corte.

    senadora Eliane Nogueira, do PP do Piauí, acumulou os maiores valores dentro do partido, com R$ 399 milhões. A mãe do ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, tomou posse quando seu filho licenciou-se para assumir o novo cargo – em julho do ano passado.

    Em seguida, vem o presidente da Câmara, Arthur Lira, deputado por Alagoas, com R$ 357 milhões. Em terceiro lugar, está o senador Elmano Férrer, também eleito pelo Piauí, que acumula R$ 124,3 milhões.

    Metrópoles procurou as assessorias dos três parlamentares (Eliane Nogueira, Arthur Lira e Elmano Férrer) do PP que mais destinaram verba do orçamento secreto. Apenas o senador Elmano Férrer retornou até a publicação desta reportagem. O espaço segue aberto para outras respostas.

    “Os recursos, previstos no Orçamento Geral da União, são destinados à melhoria de infraestrutura, saúde e educação de municípios piauienses. As indicações estão em andamento e são exclusivamente para o benefício do estado”, afirmou Férrer.

    https://flo.uri.sh/visualisation/9976999/embed?auto=1

    A Flourish data visualization

    Entenda

    O orçamento secreto explodiu durante o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), com o objetivo de negociar apoio de políticos do Centrão.

    Bolsonaro já disse que o dispositivo “ajuda a acalmar” o Parlamento. As indicações não eram públicas. Todas elas eram referenciadas ao relator-geral do orçamento, como se partissem apenas dele.

    No fim de 2021, isso fez com que a execução do orçamento secreto fosse suspensa pelo Supremo, que exigiu a divulgação dos nomes dos parlamentares contemplados com as verbas.

    A ministra Rosa Weber liberou a execução dos repasses após os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), prometerem divulgar informações sobre as emendas de RP9 nos meses seguintes.

    Em seguida, a magistrada determinou que fosse dada publicidade aos nomes.

    Somente agora o Senado enviou as planilhas com os nomes dos senadores e deputados que destinaram emendas de relator, quase seis meses depois da decisão do STF.

    Inicialmente, por decisão da ministra Rosa Weber, as informações deveriam ser prestadas até 17 de março, mas o Senado não conseguiu atender ao prazo e solicitou que fosse dilatado. A ministra, no entanto, negou o pedido e argumentou que o prazo estabelecido à época foi “adequado e suficiente”. Mesmo assim, só agora os dados foram entregues.

    Fonte: Metrópoles.

  • Pesquisa Quaest em SP: Haddad tem 30%; França, 17%; Tarcísio, 10%; e Rodrigo, 5%

    Levantamento foi feito com 1.640 entrevistados face a face entre os dias 6 e 9 de maio e tem margem de erro de 2,4 pontos percentuais

    Pesquisa Genial/Quaest para a eleição para o governo de São Paulo, divulgada em primeira mão pela CNN nesta quinta-feira (12), traz, no cenário com o maior número de candidatos, o ex-ministro Fernando Haddad (PT) à frente, com 30%, seguido pelo ex-governador Márcio França (PSB), 17%.

    Na sequência, aparecem o ex-ministro Tarcísio Freitas (Republicanos), com 10%, e o governador Rodrigo Garcia (PSDB), com 5%.

    Outros seis pré-candidatos marcaram 1%: Felicio Ramuth (PSD), Elvis Cezar (PDT), Vinicius Poit (Novo), Gabriel Colombo (PCB), Altino Junior (PSTU) e Abraham Weintraub (PMB).

    A proporção dos que dizem que irão votar em branco, anular ou deixar de votar chega a 19%. Os indecisos representam 14%.

    A margem de erro é de 2,4 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram entrevistadas 1.640 pessoas face a face entre os dias 6 e 9.

    O levantamento tem 95% de confiança. Ou seja, se 100 pesquisas fossem realizadas, ao menos 95 apresentariam os mesmos resultados dentro desta margem.

    A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral sob os números BR-09290/2022 e SP-00620/2022.

    Também foram testados outros três cenários de primeiro turno e seis de segundo turno. Confira abaixo.

    Primeiro turno

    Intenção de voto estimulada para governador de São Paulo

    Cenário I

    Fernando Haddad (PT) – 30%

    Márcio França (PSB) – 17%

    Tarcísio de Freitas (Republicanos) – 10%

    Rodrigo Garcia (PSDB) – 5%

    Felicio Ramuth (PSD) – 1%

    Elvis Cezar (PDT) – 1%

    Vinicius Poit (Novo) – 1%

    Gabriel Colombo (PCB) – 1%

    Altino Junior (PSTU) – 1%

    Abraham Weintraub (PMB) – 1%

    Branco/Nulo/Não vai votar – 19%

    Indecisos – 14%

    Cenário II

    Fernando Haddad (PT) – 37%

    Tarcísio de Freitas (Republicanos) – 12%

    Rodrigo Garcia (PSDB) – 8%

    Felicio Ramuth (PSD) – 2%

    Vinicius Poit (Novo) – 2%

    Branco/Nulo/Não vai votar – 26%

    Indecisos – 13%

    Cenário III

    Márcio França (PSB) – 29%

    Tarcísio de Freitas (Republicanos) – 12%

    Rodrigo Garcia (PSDB) – 9%

    Vinicius Poit (Novo) – 3%

    Felicio Ramuth (PSD) – 2%

    Branco/Nulo/Não vai votar – 30%

    Indecisos – 15%

    Cenário IV

    Fernando Haddad (PT) – 39%

    Tarcísio de Freitas (Republicanos) – 14%

    Rodrigo Garcia (PSDB) – 9%

    Branco/Nulo/Não vai votar – 25%

    Indecisos – 13%

    Segundo turno

    Intenção de voto estimulada para governador de São Paulo

    Cenário I

    Fernando Haddad (PT) – 38%

    Márcio França (PSB) – 32%

    Branco/Nulo/Não vai votar – 19%

    Indecisos – 10%

    Cenário II

    Fernando Haddad (PT) – 45%

    Tarcísio de Freitas (Republicanos) – 23%

    Branco/Nulo/Não vai votar – 22%

    Indecisos – 10%

    Cenário III

    Fernando Haddad (PT) – 44%

    Rodrigo Garcia (PSDB) – 21%

    Branco/Nulo/Não vai votar – 25%

    Indecisos – 10%

    Cenário IV

    Márcio França (PSB) – 42%

    Tarcísio de Freitas (Republicanos) – 20%

    Branco/Nulo/Não vai votar – 25%

    Indecisos – 14%

    Cenário V

    Márcio França (PSB) – 41%

    Rodrigo Garcia (PSDB) – 18%

    Branco/Nulo/Não vai votar – 28%

    Indecisos – 13%

    Cenário VI

    Tarcísio de Freitas (Republicanos) – 23%

    Rodrigo Garcia (PSDB) – 23%

    Branco/Nulo/Não vai votar – 37%

    Indecisos – 17%

    Fonte: cnn.

  • Moraes impõe nova multa a Silveira: R$ 135 mil. Total vai a R$ 540 mil

    Após o parlamentar infringir medidas cautelares em 9 ocasiões, o ministro impôs nova sanção e ordenou, mais uma vez, o uso de tornozeleira

    O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), impôs nova multa ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) por descumprimento de medidas cautelares. Nesta quarta-feira (11/5), o magistrado alegou que, enquanto o decreto presidencial que perdoa as penas do parlamentar não for julgado, as sanções seguem válidas..

    No despacho, Moraes pontua ainda: “Verificada a não observância das medidas cautelares impostas em nove ocasiões distintas e considerando a multa diária fixada e referendada pelo Plenário desta Suprema Corte, é exigível nova sanção pecuniária, cumulativa à anteriormente fixada, no valor total de R$ 135 mil em desfavor do réu Daniel Lúcio da Silveira”.

    Assim, o parlamentar, que já teve mais de R$ 120 mil bloqueados de suas contas, agora deve à Justiça R$ 540 mil. O novo valor soma-se aos R$ 405 mil anteriormente aplicados pelo relator da Ação Penal 1044.

    E o rombo no bolso do deputado federal bolsonarista pode aumentar. O ministro foi enfático: se o parlamentar não usar tornozeleira, vai ser multado de novo, com valores diários.

    “Intime-se a defesa para que, no prazo de 24h, se manifeste sobre o descumprimento das medidas cautelares por parte de Daniel Silveira desde o dia 3/5/2022; bem como para que indique sua disposição em cumprir, imediatamente, a determinação judicial ou nova recusa em utilizar o equipamento de monitoramento eletrônico; sob pena de fixação de cumulativas multas diárias”, determinou.

    A determinação consta nos autos da Ação Penal nº 1.044, na qual Daniel Silveira foi condenado a 8 anos e 9 meses de detenção por atentar contra a democracia.

    Nesta quarta-feira (11/5), a advogada de Silveira entrou com recurso contra multa de R$ 405 mil determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, devido ao descumprimento de medidas judiciais. Agora, porém, em vez de ser extinta, a multa aumentou.

    Sobrevivência

    A defesa do deputado havia relatado que era necessário revogar o bloqueio das contas de Daniel, previsto na sentença, a fim de “resguardar a sobrevivência da família do parlamentar”.

    “Mesmo que se entendesse que o presente caso seria exceção ao presente dispositivo, seria fundamental resguardar a sobrevivência da família do parlamentar, conforme jurisprudência pacífica do Superior Tribunal de Justiça: ‘Segundo a jurisprudência desta Corte, a regra geral [é] da impenhorabilidade de salários, vencimentos, proventos’”, alega a defensora.

    A nova advogada do deputado, Mariane Cardoso, também declarou que a multa não pode ser aplicada, por “presunção de constitucionalidade do Decreto Presidencial que concedeu indulto individual (graça) a Silveira”. Segundo a profissional, como o indulto não foi suspenso e é analisado no STF, sob relatoria da ministra Rosa Weber, a multa e a aplicação de outras sanções só poderiam ocorrer após uma decisão.

    Multa

    O ministro Alexandre de Moraes determinou, em 3 de maio, a aplicação de multa de R$ 405 mil ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) pelo descumprimento de medidas judiciais. Na decisão, o magistrado manteve todas as restrições já impostas ao parlamentar, incluindo o uso da tornozeleira eletrônica.

    Fonte: Metrópoles.

  • Bolsonaro e Mourão explodem gastos no cartão corporativo em 2022

    Despesas do presidente aumentaram mais de R$ 2 milhões em relação ao ano passado; já as do vice mais que dobraram

    Em ano eleitoral, Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão explodiram seus gastos no cartão corporativo. Entre janeiro e maio deste ano, Bolsonaro gastou R$ 8,8 milhões, R$ 2,1 milhões a mais que no mesmo período do ano passado.

    O vice Hamilton Mourão, por sua vez, mais do que dobrou suas despesas aproveitando o cartão corporativo. De R$ 249 mil entre janeiro e maio de 2021, o valor saltou para R$ 531 mil este ano. Mourão será candidato ao Senado, pelo Republicanos, no Rio Grande do Sul, e passou a viajar com frequência para o estado.

    Uma análise dos dados do Portal da Transparência mostra que a tendência é de crescimento nos gastos com cartão corporativo ao longo dos quatro anos, no período entre janeiro e maio. Em 2019, o presidente gastou R$ 4,8 milhões no período; em 2020, R$ 7,9 milhões; em 2021, R$ 6,7 milhões; em 2022, R$ 8,8 milhões.

    Já Mourão gastou R$ 219 mil entre janeiro e maio de 2019; R$ 260 mil em 2020; R$ 249 mil em 2021 e R$ 531 mil em 2022.

    O cartão corporativo é um meio de pagamento usado por alguns integrantes do governo para despesas próprias, e funciona de forma similar ao cartão de crédito. Segundo o site do governo federal, o objetivo é “atender a despesas de pequeno vulto; despesas eventuais, inclusive em viagens e com serviços especiais, que exijam pronto pagamento; e despesas em caráter sigiloso”.

    Tanto os gastos do presidente da República quanto os do vice são sigilosos.

    Procurados por meio de suas assessorias, Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão ainda não se pronunciaram. O espaço segue aberto para manifestações.

    Fonte: Metrópoles.

  • Arthur Lira destinou R$ 357,5 milhões em emendas do orçamento secreto

    Verba bancou obras da Codevasf e da cidade onde Benedito de Lira, pai do presidente da Câmara, é prefeito. Ofício foi enviado ao STF

    O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), indicou ao menos R$ 357,477 milhões em emendas parlamentares do orçamento secreto nos últimos dois anos. O montante destinado a cidades de Alagoas, estado de Lira, em 2020 e 2021 representa quase 10 vezes o valor permitido a cada deputado para destinação por emenda individual – R$ 18 milhões por ano (R$ 36 milhões, portanto, nos dois anos).

    O levantamento foi feito pelo Metrópoles, com base em ofícios enviados na noite de segunda-feira (9/5) pelo Senado Federal e Congresso Nacional ao Supremo Tribunal Federal (STF).

    Em 2020 e 2021, foram empenhados R$ 36,455 bilhões desse dispositivo. Cerca de R$ 17,447 bilhões foram pagos, segundo dados do Siga Brasil.

    “Meu apoio”

    Em resposta ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), Lira enviou uma planilha com as emendas parlamentares RP9 que contaram com o que ele chamou de “meu apoio”.

    Entre as indicações do orçamento secreto, R$ 93,880 milhões foram destinadas a ações da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), empresa tida como “a estatal do Centrão”, por ser dominada por indicações de políticos do bloco.

    A Controladoria-Geral da União (CGU) chegou a apontar sobrepreço na compra de tratores e máquinas agrícolas pela Codevasf, com dinheiro do orçamento secreto. O esquema, revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo, ficou conhecido como “tratoraço”.

    Além disso, R$ 6,041 milhões foram para Barra de São Miguel, cidade cujo prefeito é Benedito de Lira (PP), ex-senador e pai de Arthur Lira.

    Fundador da ONG Contas Abertas, Gil Castello Branco avalia que o “preço do apoio político está cada vez maior”. “Daí o valor de R$ 4,9 bilhões do fundo eleitoral e a cooptação de parlamentares para ampliação da base por meio dos R$ 16,5 bilhões das emendas de relator. O Centrão está com a caneta e a chave do cofre”, avalia, em conversa com o Metrópoles.

    “As emendas de relator distorcem as políticas públicas e comprometem o equilíbrio federativo, em função da falta de parâmetros técnicos para a sua distribuição”, acrescenta.

    Entenda

    O orçamento secreto, de emendas sem indicação de “padrinhos”, explodiu durante o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), com o objetivo de negociar apoio de políticos do Centrão.

    Bolsonaro já disse que o orçamento secreto “ajuda a acalmar” o Parlamento.

    As indicações não eram públicas. Todas elas eram referenciadas ao relator-geral do orçamento, como se partissem apenas dele.

    No fim de 2021, isso fez com que a execução do orçamento secreto fosse suspensa pelo Supremo, que exigiu a divulgação dos nomes dos parlamentares contemplados com as verbas.

    A ministra Rosa Weber liberou a execução dos repasses após os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), prometerem divulgar informações sobre as emendas de RP9 nos meses seguintes.

    Em seguida, a magistrada determinou que fosse dada publicidade aos nomes.

    Somente agora o Senado enviou as planilhas com os nomes dos senadores e deputados que destinaram emendas de relator, quase seis meses depois da decisão do STF.

    Inicialmente, por decisão da ministra Rosa Weber, as informações deveriam ser prestadas até 17 de março, mas o Senado não conseguiu atender ao prazo e solicitou que fosse dilatado. A ministra, no entanto, negou o pedido e argumentou que o prazo estabelecido à época foi “adequado e suficiente”. Mesmo assim, só agora os dados foram entregues.

    Outro lado

    Procurado no início da tarde desta terça-feira (10/5), Arthur Lira não se manifestou até a publicação desta reportagem. O espaço segue aberto.

    Fonte: Metrópoles.

  • Ciro Gomes pede união de candidatos contra “golpe”

    “Ou a sociedade e as lideranças políticas tomam providências já, ou chegaremos a um ponto sem retorno”, disse o pedetista em referência a Jair Bolsonaro

    Em live na noite desta terça-feira (10), Ciro Gomes (foto) disse ver “indícios claros” de que há um golpe antidemocrático em elaboração por Jair Bolsonaro e seus aliados e pediu que todos os candidatos, de diferentes partidos, se unam para denunciá-lo.

    “Há indícios claros de que está em curso um golpe contra a democracia, cujo alvo são as próximas eleições. Ou a sociedade e as lideranças políticas tomam providências já, ou chegaremos a um ponto sem retorno”, disse o pré-candidato do PDT à Presidência, conforme o registro do Painel da Folha.

    Segundo Ciro, trata-se de manobras “muito sofisticadas” envolvendo “guerra da informação, da contrainformação, manipulação e espionagem”.

    “É preciso que todos os candidatos, de todos os partidos, sentem imediatamente à mesa para denunciar isto publicamente ao Brasil e ao mundo. Faço esta convocação e espero ser ouvido por todos os demais candidatos”, acrescentou o pedetista.

    Os recentes questionamentos do Exército ao TSE em relação à segurança das urnas eletrônicas, muitos deles alinhados ao discurso bolsonarista, tem motivado manifestações de preocupação com a possibilidade de adesão das Forças Armadas ao discurso golpista de Bolsonaro.

    Fonte: Oatagonista.

  • Bolsonaro troca comando do Ministério de Minas e Energia

    Adolfo Sachsida foi nomeado para o lugar de Bento Albuquerque, exonerado a pedido

    O presidente Jair Bolsonaro (PL) alterou o comando do Ministério de Minas e Energia nesta quarta-feira (11).

    Em decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU), Bento Albuquerque foi exonerado, a pedido, e Adolfo Sachsida foi nomeado para o cargo.

    Sachsida era chefe da Assessoria Especial de Estudos Econômicos do Ministério da Economia. Doutor em Economia e advogado, o novo ministro é autor de vários livros e artigos técnicos sobre política econômica, política monetária, política fiscal, avaliação de políticas públicas, e tributação.

    Também foi professor em universidades brasileiras, como a Universidade Católica de Brasília, e do exterior, como a Universidade do Texas nos Estados Unidos.

    Bento Albuquerque foi nomeado para o Ministério de Minas e Energia em novembro de 2018 e era um dos poucos ministros restantes do quadro inicial do governo federal.

    Petrobras

    Em live nas redes sociais na última quinta-feira (5), Bolsonaro citou Albuquerque ao reclamar do lucro registrado pela Petrobras no primeiro trimestre deste ano.

    “Vocês não podem, ministro Bento Albuquerque e senhor José Mauro, da Petrobras, não podem aumentar o preço do diesel. Não estou apelando, estou fazendo uma constatação levando-se em conta o lucro abusivo que vocês têm. Vocês não podem quebrar o Brasil”, declarou o presidente.

    A estatal brasileira registrou um lucro líquido de R$ 44,5 bilhões nos primeiros três meses de 2022. O resultado representa um salto de rentabilidade superior a 3.000% em comparação com o mesmo trimestre de 2021.

    Na mesma transmissão, Bolsonaro classificou os lucros da Petrobras como um “estupro”. ” Petrobras, estamos em guerra. Petrobras, não aumente mais o preço dos combustíveis. O lucro de vocês é um estupro, é um absurdo”, disse o presidente.

    fONTE: cnn.

  • Após rejeição do STF, Bolsonaro recorre à PGR contra Moraes

    Ação enviada ao STF foi recusada nesta quarta-feira por Dias Toffoli, relator do caso

    O presidente Jair Bolsonaro apresentou, nesta quarta-feira (18), uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) que tem como alvo o Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). 

    O presidente já havia apresentado uma ação ao STF,  na qual acusa o ministro de abuso de autoridade. Dias Toffoli, relator do caso,  rejeitou o pedido do presidente na tarde desta quarta-feira. 

    Segundo informações da jornalista Bela Megale, no documento encaminhado à PGR, Bolsonaro afirma que Moraes teria realizado “sucessivos ataques à democracia, desrespeito à Constituição e desprezo aos direitos e garantias fundamentais”.

    As acusações de Bolsonaro apresentadas a PGR são as mesmas reportadas ao STF anteriormente. Em documento assinado pelo advogado Eduardo Magalhães, o presidente cita cinco justificativas que fundamentam a ação  contra o ministro.

    Fonte: IG.

  • RIO BRILHANTE: MARLÃO PODE SER CANDIDATO À DEPUTADO ESTADUAL

    O empresário e ex-vereador Marlos Augusto Joris, mais conhecido como Marlão, pode concorrer à uma vaga para a Assembleia Legislativa.

    Nesta segunda, 16, Marlão esteve reunido em Campo Grande, com os pretensos candidatos do PDT, e juntamente com o pré-candidato ao governo do estado, Eduardo Riedel, onde trataram do assunto.

    Ao Enfoque Político, o ex-vereador e presidente do PDT em Rio Brilhante, disse estar à disposição do partido, e que poderá ser candidato a deputado estadual, se isso for contribuir com a legenda.

    Marlão participou de duas campanhas para vereador e nas duas oportunidades foi o candidato a vereador mais votado. Na última eleição, embora fosse bem apontado nas pesquisas para vereador com possibilidades de se reeleger, optou por deixar a vida pública e cuidar da família e dos negócios.

    Ainda nesta semana o empresário volta a se reunir com a direção do PDT, e com aliados do pré-candidato Eduardo Riedel, para os ajustes finais, acerca da candidatura.

    Marlão tem perfil de empresário arrojado, trabalhador, e no campo político é admirado por sua simplicidade no trato com a população, e mesmo estando sem mandato, não abre mão de usar sua influência para ajudar quem esteja passando por dificuldades. Caso seja confirmada a candidatura do empresário Rio Brilhante, passa a contar com uma boa opção para a vaga de deputado estadual.

  • TSE firma, enfim, acordo com Telegram contra fake news nas eleições

    Entre as medidas, está o desenvolvimento de nova funcionalidade na plataforma para marcação de conteúdos desinformativos

    Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anunciou que finalmente assinou acordo de cooperação com o Telegram para combater a disseminação de fake news durante as eleições.

    O TSE terá canal na plataforma para divulgar informações oficiais sobre o pleito. Além disso, o Telegram dará suporte para o desenvolvimento de um robô – para tirar dúvidas dos usuários sobre as eleições – e de uma nova funcionalidade na plataforma para marcação de conteúdos desinformativos.

    O anúncio ocorreu nesta terça-feira (17/5). O acordo deve vigorar até 31 de dezembro de 2022, segundo a Corte eleitoral.

    “Além de apoio técnico e inovações no produto para enfrentar a desinformação, a plataforma se comprometeu a apoiar o TSE na divulgação do canal para todos os usuários do Telegram no país”, afirma o TSE, em nota.

    Pelo acordo, quando houver denúncias de conteúdos falsos, o Telegram conduzirá investigação interna para verificar se os canais indicados violaram os termos de serviço e políticas da plataforma.

    “O tribunal se compromete também a fornecer informações e relatórios sobre o desenvolvimento das eleições que possam ser importantes para que o Telegram desenvolva políticas internas e melhores práticas”, frisa o TSE.

    Crise

    Desde dezembro de 2021, o TSE celebrou parcerias com quase todas as principais plataformas tecnológicas – apenas o Telegram se mantinha alheio à procura da Corte eleitoral; simplesmente ignorava os contatos da Justiça Eleitoral brasileira. Somente após a decisão de bloquear o aplicativo, determinada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, em 18 de março, representantes da plataforma responderam às autoridades brasileiras.

    O bloqueio acabou rapidamente suspenso, porque o Telegram decidiu cumprir as determinações e começou a agir contra perfis e grupos de disseminação de notícias falsas da paltaforma.

    O entendimento no TSE era de que muitas teorias da conspiração e informações falsas sobre o sistema eleitoral vinham sendo disseminadas no aplicativo sem qualquer restrição.

    Logo depois, o TSE enviou ao Telegram a proposta de adesão ao Programa de Enfrentamento à Desinformação, que agora foi confirmada.

    Um dos principais receios da Corte é com a disseminação de teorias conspiratórias e notícias falsas sobre as urnas em uma eleição já marcada pela forte polarização e radicalização política. A rede é constantemente defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

    Em fevereiro, o TSE firmou parceria com as principais redes sociais e plataformas digitais de compartilhamento de mensagens e vídeos. Também fazem parte do acordo para ação coordenada de combate às fake news nas eleições de 2022: Twitter, TikTok, Facebook, WhatsApp, Google, Instagram, YouTube, LinkedIn, Kwai e Spotify.

    Fonte: Metrópoles.

  • Contratos de escritório de Renan Bolsonaro chegaram a R$ 158 mil

    Contratos envolvem aluguel e reforma de sede da empresa de Jair Renan Bolsonaro; PF investiga o cas

    Os contratos de aluguel e reforma do escritório do influenciador digital Jair Renan Bolsonaro, filho mais novo do presidente, chegaram a R$ 158 mil. Renan Bolsonaro é alvo de um inquérito na Polícia Federal que apura supostos crimes de tráfico de influência e lavagem de dinheiro que envolvem negócios de sua empresa, a Bolsonaro Jr Eventos. A sede da firma fica em um camarote no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília.

    Segundo o contrato de 2020, o aluguel do camarote 311 do estádio, com 18 cadeiras exclusivas, durou um ano. O preço mensal foi de R$ 8.820, a um valor anual de R$ 105.840. O contrato foi firmado entre a Arena BSB, administradora do estádio em Brasília, e Jair Renan, como pessoa física. De acordo com o documento, os repasses deveriam ser feitos por transferência bancária para a Arena BSB.

    Em depoimento à PF no mês passado, Renan Bolsonaro negou qualquer irregularidade e afirmou que o único contrato que assinou foi o de aluguel do escritório. Em seguida, o influenciador digital disse que não se lembra do valor do contrato.

    Em outra negociação desse caso, a PF identificou que o contrato inicial para a reforma do escritório da empresa de Renan Bolsonaro previa gasto de R$ 52,5 mil. O documento foi enviado por mensagem em junho de 2020 pela arquiteta responsável, Tânia Fernandes, a Allan Lucena, ex-parceiro comercial de Renan Bolsonaro.

    Segundo a arquiteta, o valor final caiu para R$ 9,5 mil e foi pago pelo empresário Luis Felipe Belmonte, que atuou para criar o partido bolsonarista Aliança pelo Brasil. Belmonte disse à PF que pagou os R$ 9,5 mil da reforma, conforme mostrou o repórter Aguirre Talento na semana passada.

    Procurada pela coluna, a arquiteta Tânia Fernandes afirmou que não se recorda do valor exato do contrato inicial: “Não tenho a mínima ideia se foi esse valor no início. O que foi fechado foi o valor de R$ 9,5 mil. Uma coisa foi a reforma, outra foi a estimativa. Acho que nesse primeiro contrato deveriam estar os eletroeletrônicos incluídos. As estimativas de arquitetura trazem isso. Dali em diante, o cliente escolhe o que quer fazer”.

    A arquiteta acrescentou que prestou informações à PF no fim do ano passado.

    Os investigadores buscam saber se, em novembro de 2020, Jair Renan atuou para que o grupo empresarial Gramazini conseguisse duas reuniões no Ministério do Desenvolvimento Regional. A empresa tentaria obter um projeto de casas populares na pasta. Em contrapartida, teria beneficiado Jair Renan.

    Um dos supostos benefícios seria um carro elétrico de R$ 90 mil dado a Allan Lucena. Depois do início das investigações, a defesa de Lucena informou que o automóvel foi devolvido aos empresários.

    Procurada, a defesa de Jair Renan Bolsonaro negou irregularidades e não respondeu como o influenciador digital pagou essas despesas. “Jair Renan Bolsonaro não solicitou dinheiro a ninguém, não recebeu um único real de quem quer que seja, não recebeu carro de presente, não atuou para nenhuma empresa, não solicitou que ninguém pagasse nada a ninguém e seu nome foi usado indevidamente”, disse o advogado Fred Wassef.

    Procurada, a defesa de Allan Lucena negou irregularidades.

    A concessionária Arena BRB, novo nome da Arena BSB, afirmou que não tem mais vínculos com Renan Bolsonaro. “A Arena BSB informa que não comenta sobre negociações ou acordos comerciais da empresa. Atualmente, o contrato não está mais vigente.”

    Jair Renan, filho numero 4 de Bolsonaro. Ele tem cabelos e barba pretos - Metrópoles

    Após o depoimento do filho, o presidente Bolsonaro comentou sobre as acusações. “O moleque tem 24 anos agora. Acho que ninguém conhece ele. Vive com a mãe e há muito tempo está longe de mim, mas recebo ele de vez em quando aqui. Tem a vida dele. Não vou dizer se está certo ou está errado, mas peço a Deus que o proteja”, disse Igo Estrela/ Metrópoles

    Fonte: Metrópoles.

  • AROEIRA: Prefeito Lucas Foroni faz entrega de maquinários ao distrito

    Uma Pá Carregadeira Caterpillar 9.30, um Caminhão Pipa VW 11.140, um Caminhão Toco VW 11.140 e uma Caminhonete Amarok foram remanejados para o distrito de Prudêncio Thomaz.

    As máquinas foram oficialmente entregues na manhã desta segunda-feira (16), em ato simbólico promovido em frente a subprefeitura do distrito e contou com a presença do prefeito, secretários municipais, autoridades e população em geral.

    Todos os maquinários devem auxiliar nos trabalhos de manutenção das vias públicas e das estradas vicinais, facilitando assim as ações executadas pela Secretaria de Infraestrutura, sem a necessidade do deslocamento destes equipamentos do município para o distrito.

    O Governo Municipal por meio da Secretaria de Infraestrutura efetuou esta transferência com objetivo de ofertar mais tranquilidade, organização e limpeza do distrito.

    A reestruturação é um compromisso do Governo Municipal que está trabalhando para obter resultados mais rápido e eficiente, priorizando as necessidades do distrito e garantindo qualidade de vida no que diz respeito à limpeza urbana e estradas seguras.

    Pela primeira vez na história, os maquinários estarão disponíveis para uso exclusivo do distrito. Uma conquista que faz parte do plano de Governo, que é priorizar as demandas de Prudêncio Thomaz.

    Fonte: Assessoria.

  • André Puccinelli visita prefeita Campo Grande Adriane Lopes

    Ex-governador afirmou estar conversando com prefeitos de todos os municípios do MS

    O ex-governador André Puccinelli (MDB) foi flagrado momentos depois de uma visita à prefeita Adriane Lopes (Patriotas), na Prefeitura Municipal de Campo Grande, no fim da tarde desta segunda-feira (16). O pré-candidato ao Governo do MS disse que reunião foi uma ‘cortesia’ e que não houve tratativa política.

    André ressaltou que, durante as agendas, visita os prefeitos e líderes na Câmara Municipal de cada município do Estado. Além disso, o pré-candidato ao Governo de MS declarou que apenas tratou sobre planos para a Capital, mas que deixou aberta futuras parcerias.

    “Foi uma cortesia. A visita protocolar tem acontecido em todos os municípios que tenho percorrido, então eu falo ao prefeito ou presidente da Câmara: o que eles fariam se fosse Governador? E peço para eles falarem a prioridade de seu município. Com a Adriane não foi diferente, ela agradeceu a visita e falou os seus pontos, então não tratamos de política, mas deixei aberto se caso tenha alguma parceria”, falou o ex-governador.

    Fonte: Midiamax.

  • Em pré-campanha, Lula receberá princesa da Bélgica

    Também na próxima semana ex-presidente participará da reunião de inauguração do conselho político de sua campanha

    Em plena pré-campanha ao Palácio do Planalto, o ex-presidente Lula receberá na próxima semana, em São Paulo, a princesa Marie-Esméralda Léopoldine, integrante da família real da Bélgica.

    Segundo auxiliares do petista, a pauta da conversa entre os dois deve girar principalmente em torno de meio ambiente e causas sociais, temas em que a princesa belga costuma atuar.

    Marie está no Brasil desde a semana passada. Na sexta-feira (13/5), ela participou em Manaus da inauguração de uma mostra de fotos tiradas por seu pai, o Rei Leoppoldo III, no Brasil entre 1962 e 1964.

    Conselho político da campanha

    Também na próxima semana Lula participará da reunião de instalação do conselho político de sua campanha ao lado de dirigentes dos sete partidos que já declararam apoio a sua candidatura.

    O encontro está previsto para acontecer na segunda-feira (23/5), em São Paulo, e contará ainda com a presença do ex-governador Geraldo Alckmin (PSB), que será candidato a vice-presidente de Lula.

    Além de PT e PSB, já anunciaram publicamente que apoiarão a chapa Lula-Alckmin na disputa ao Planalto deste ano os seguintes partidos: PCdoB, PV, Rede, PSOL e Solidariedade.

    Fonte: Metrópoles.

  • Guedes diz ter ‘detonado’ proposta de reduzir FGTS e que equipe estuda 30 cenários

    Nos bastidores, Guedes é alvo de integrantes do Centrão, que defendem medidas pró-gastos no ano eleitoral. Um dos principais embates em curso é o preço dos combustíveis.

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que existem cerca de 30 propostas em análise que discutem geração de emprego e encargos trabalhistas, formuladas pela equipe de Adolfo Sachsida (então assessor especial da Economia), mas que ele “detonou” a proposta que previa a diminuição de 8% para 2% no recolhimento de FGTS dos trabalhadores.

    Ao blog, Guedes disse ter “detonado e recusado” a proposta e que, em sua avaliação, o vazamento da medida seria para desgastá-lo em ano de eleição.

    A proposta foi revelada pelo jornal ‘Folha de S.Paulo’, no final de semana.

    Segundo a reportagem, o Ministério da Economia propõe cortar a alíquota de contribuição que as empresas recolhem sobre o salário dos trabalhadores, de 8% para 2%, e reduzir a multa paga em caso de demissão sem justa causa, de 40% para 20%.

    Guedes afirma que esse era um dos 30 cenários contingentes – e foi recusado “há meses”.

    Guedes x Centrão

    Nos bastidores, Guedes é alvo de integrantes do Centrão, que defendem medidas pró-gastos no ano eleitoral. Um dos principais embates em curso é o preço dos combustíveis.

    Guedes é contra subsídio geral para os combustíveis e convenceu o presidente Bolsonaro a trocar Bento Albuquerque do comando de Minas e Energia.

    Agora, o próximo passo é trocar a presidências e diretorias da Petrobras. O presidente Bolsonaro já deu carta branca ao novo ministro Adolfo Sachsida, além de avalizar a proposta de privatizar a Petrobras.

    No entanto, a privatização é bandeira de campanha da reeleição- ou seja, só acontecerá se Bolsonaro for reeleito.

    Num cenário de reeleição, integrantes do centrão defendem, de forma reservada, que Guedes seja trocado – o nome favorito de aliados políticos do presidente Bolsonaro é o do presidente do Banco Central, Campos Neto – que, aliás, foi indicado por Guedes.

    Fonte: Globo.com

  • VÍDEO: antes da “lanchaciata” esvaziada, Bolsonaro é vaiado na Feira do Guará no DF

    O presidente estava acompanhado do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Eduardo Ramos, e pelo ex-ministro Walter Souza Braga Netto

    A popularidade de Bolsonaro, assim com indicam todo as recentes pesquisas eleitorais, de fato não está em alta. Neste domingo (15), antes de uma “lanchaciata” esvaziada, o presidente foi vaiado por cidadãos que estavam na Feira do Guará.

    hegar no local, uma multidão cercou o presidente e o “homenageou” com gritos de “fora, Bolsonaro”. No vídeo, também é possível notar que alguns apoiadores tentaram reverter a cena gritando “mito”, forma como a hoste bolsonarista.

    O presidente estava acompanhado do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Eduardo Ramos, e pelo ex-ministro Walter Souza Braga Netto.

    A Feira do Guará é uma das mais tradicionais do Distrito Federal e acontece desde 1969 na região administrativa do Guará.

    Flopou: ‘Lanchaciata’ em apoio a Bolsonaro reúne poucas embarcações

    Organizada por apoiadores de Jair Bolsonaro (PL), a “Lanchaciata pela Liberdade no Brasil”, realizada na manhã deste domingo (15) no Lago Paranoá, em Brasília, “flopou”. Isto é, o número de participantes foi muito aquém do esperado. 

    Ao anunciar o evento, os bolsonaristas falavam em centenas de lanchas e jet-ski manifestando apoio ao presidente. O que se observou, no entanto, foram pouquíssimas embarcações – algo em torno de 40, segundo um dos participantes, que transmitiu a “lanchaciata” ao vivo em seu canal do YouTube.

    A presença de Bolsonaro era esperada pela manhã – o evento começou por volta das 9h. O presidente, no entanto, preferiu passear por feiras de Brasília e comer pastel acompanhado pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Eduardo Ramos, e pelo ex-ministro Walter Souza Braga Netto. Por volta das 13h30 o presidente apareceu e deu algumas voltas de jet-ski, acompanhado por inúmeros seguranças.

    Fonte: FolhadeCG.

  • Edinho Cassuci é eleito prefeito de Angélica com 42,01% dos votos

    Eleição suplementar ocorreu neste domingo (15)

    Edinho Cassuci do PDT, foi eleito prefeito de Angélica com 42,01% dos votos, conforme resultado divulgado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), neste domingo (15). Eram esperados 8,6 mil eleitores, mas houve abstenção de 27,99% do eleitorado, conforme o juiz da 27ª Zona Eleitoral, Roberto Hipólito da Silva.

    A eleição suplementar ocorre quase dois anos após o prefeito eleito em 2020, João Cassuci, tio de Edinho, ter a candidatura impugnada por cair na lei da Ficha Limpa.

    Edinho concorreu às eleições com outros três candidatos: Aparecido Geraldo Rodrigues, conhecido como Boquinha (PSDB), que era o prefeito interino até então, Roberto Cavalcanti (União Brasil) e Chico Bragança (MDB).

    Cassuci teve 2.470 votos, enquanto Boquinha teve 1.819; Cavalcanti recebeu 1.454 votos e Bragança apenas 136 votos. Com isso, Edinho que teve como vice em sua chapa o contador Paulo Conconi, cumprirá o restante do mandato atual até 2024.

    Segundo o juiz, a eleição ocorreu sem nenhuma intercorrência, porém, houve uma abstenção alta. “Foi eleição tranquila, mas houve índice de abstenção alto, de 27,99%, mas 6.051 eleitores compareceram para votar neste domingo e o resultado foi proclamado”.

    Conforme o TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral), foram cinco locais de votação das 29 seções eleitorais. Foram usadas 28 urnas de votação e 10 de contingência. Cerca de 300 pessoas entre servidores, colaboradores, auxiliares, mesários e policiais civis e militares estarão envolvidas na realização do pleito, além do Juiz e do representante do Ministério Público Eleitoral.

    Fonte: Midiamax.

  • Pesquisa Quaest: Lula tem 46%; Bolsonaro, 29%; Ciro, 7%; Doria e Janones, 3%; Tebet e d’Avila, 1%

    Levantamento foi feito com 2.000 entrevistados face-a-face entre os dias 5 e 8 de maio; margem de erro é de 2 pontos percentuais

    Pesquisa Quaest/Genial para as eleições presidenciais de 2022, divulgada em primeira mão pela CNN nesta quarta-feira (11), traz, no cenário com o maior número de candidatos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à frente, com 46% das intenções de voto no primeiro turno, seguido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), com 29%.

    Depois aparecem Ciro Gomes (PDT), com 7%; João Doria (PSDB) e André Janones (Avante) com 3%; e Simone Tebet (MDB) e Felipe d’Avila (Novo), com 1%. Luciano Bivar (União Brasil) não pontuou.

    Os que dizem que irão votar em branco, anular ou deixar de votar somam 6%. A proporção dos indecisos é de 3%.

    A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Duas mil pessoas foram entrevistadas face a face entre os dias 5 e 8.

    O levantamento tem 95% de confiança. Ou seja, se 100 pesquisas fossem realizadas, ao menos 95 apresentariam os mesmos resultados dentro desta margem.

    A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01603/2022.

    Também foram testados outros cinco cenários de primeiro turno e três de segundo turno. Confira abaixo.

    Primeiro turno

    Intenção de voto estimulada para presidente

    Cenário I

    • Lula (PT) – 46%
    • Bolsonaro (PL) – 29%
    • Ciro Gomes (PDT) – 7%
    • João Doria (PSDB) – 3%
    • André Janones (Avante) – 3%
    • Simone Tebet (MDB) – 1%
    • Felipe d’Avila (Novo) – 1%
    • Luciano Bivar (União Brasil) – 0
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 6%
    • Indecisos – 3%

    Cenário II

    • Lula (PT) – 46%
    • Bolsonaro (PL) – 31%
    • Ciro Gomes (PDT) – 9%
    • João Doria (PSDB) – 4%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 7%
    • Indecisos – 3%

    Cenário III

    • Lula (PT) – 50%
    • Bolsonaro (PL) – 33%
    • João Doria (PSDB) – 5%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 9%
    • Indecisos – 3%

    Cenário IV

    • Lula (PT) – 51%
    • Bolsonaro (PL) – 33%
    • Simone Tebet (MDB) – 4%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 9%
    • Indecisos – 3%

    Cenário V

    • Lula (PT) – 48%
    • Bolsonaro (PL) – 31%
    • Ciro Gomes (PDT) – 9%
    • Simone Tebet (MDB) – 2%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 7%
    • Indecisos – 3%

    Cenário VI

    • Lula (PT) – 48%
    • Bolsonaro (PL) – 32%
    • Ciro Gomes (PDT) – 10%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 7%
    • Indecisos – 3%

    Segundo turno

    Intenção de voto estimulada para presidente

    Cenário I

    • Lula (PT) – 54%
    • Bolsonaro (PL) – 34%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 9%
    • Indecisos – 2%

    Cenário II

    • Lula (PT) – 53%
    • Ciro Gomes (PDT) – 24%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 21%
    • Indecisos – 2%

    Cenário III

    • Lula (PT) – 58%
    • Simone Tebet (MDB) – 17%
    • Branco/Nulo/Não vai votar – 22%
    • Indecisos – 3%

    Fonte: CNN.

  • Conselho de Ética da Alesp rejeita processo de Isa Penna contra Delegado Olim

    Deputado disse em entrevista que deputada teria tido “sorte” em episódio de importunação sexual pelo colega Fernando Cury

    O Conselho de Ética da Alesp votou pela rejeição do processo da deputada Isa Penna (PCdoB) contra o colega Delegado Olim (PP).

    Olim afirmou em entrevista no mês de abril que a deputada teria tido “sorte” após ser vítima de importunação sexual cometida pelo também deputado Fernando Cury (União Brasil) e que seria reeleita graças a isso.

    O resultado da votação de hoje foi de 6 votos a 4 pela não admissibilidade. O Conselho de Ética havia acolhido a denúncia de Isa Penna no dia 25 de abril.

    Além do pedido de afastamento e abertura do processo disciplinar, Penna também pedia que o Conselho “apurasse eventual suspeição ou impedimento do representado, especialmente naquele feito que culminou com a absurda penalidade de suspensão de Cury”, citando o afastamento de seis meses a que Cury foi submetido após o caso de importunação sexual.

    Posteriormente, Olim afirmou que “se expressou mal em sua fala e que, conhecendo o deputado, sabia que ele não teve em nenhum momento a intenção de fazer aquilo, mas mereceu ser punido porque mulher precisa de respeito sempre.”

    Veja como votaram os integrantes do Conselho de Ética pela admissibilidade ou não da ação:

    Adalberto de Freitas (PSDB) – NÃO
    Enio Tatto (PT) – SIM
    Barros Munhoz (PSDB) – NÃO
    Wellington Moura (REPUBLICANOS) – NÃO
    Professor Kenny (PP) – substituto do Delegado Olim – NÃO
    Campos Machado (AVANTE) – NÃO
    Marina Helou (REDE) – SIM
    Erica Malunguinho (PSOL) – SIM
    Alex de Madureira (PL), substituto do corregedor Estevam Galvão (UNIÃO) – NÃO
    Maria Lúcia Amary (PSDB) , presidente da Comissão – SIM

    Fonte: CNN.

  • RIO BRILHANTE: PREFEITO LUCAS FORONI ENTREGA QUASE 5 MIL KITS ESCOLARES

    Economia aos pais e qualidade aos alunos, a distribuição dos kits escolares reflete em melhor aprendizado e diversas vantagens para os educadores. O Governo Municipal em parceria com a Secretaria de Educação, está realizando a entrega dos kits aos alunos da Rede Municipal de Ensino.

    O evento contou com a presença do prefeito, Lucas Foroni; Secretário de Educação, Miquéias Augusto Ferreira Nantes; Secretário de Finanças, Planejamento e Controle, Edilson Nantes Tagara; Chefe de Gabinete, Langrem Cherobin da Silva; Secretária de Saúde, Alini de Oliveira; Procurador Jurídico, Ericomar Correia de Oliveira e Secretário de Desenvolvimento e Infraestrutura, Hugo Koji Suekane, além dos professores, coordenadores, diretores e toda equipe da secretaria de Educação.

    A distribuição dos kits representa padronização dos materiais, oferecendo condições para que as crianças aprendam com mais qualidade e de forma mais adequada.

    É mais um incentivo à educação e qualidade ao ensino, no total foram entregues 4.656 kits, sendo 2.397 para o fundamental I (2º ao 5º ano); 1.081 para o fundamental II (6º AO 9º); 909 para educação infantil (Pré-escola) e 269 ao 1º ano fundamental.

    O Governo Municipal ressalta que a entrega do material é importante, tanto para a comunidade escolar quanto para os professores, contribuindo com o andamento das atividades pedagógicas.

    Fonte: Assessoria.

  • MS registra 1,8 milhões de pessoas aptas a votar nas eleições de 2022

    Com 49 zonas eleitorais em todo o Estado, o TRE-MS contabilizou um total de 1.890.698 milhões de eleitores no MS

    Com uma população estimada de 2.839.188 milhões de habitantes, Mato Grosso do Sul registrou atualmente a marca de 1.890.698 milhões de pessoas aptas a votar nas eleições de 2022, o que representa aproximadamente 66,6% da população. Os dados foram divulgados pelo TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) e contabilizam 49 zonas em todo Estado.

    Conforme o TRE-MS, 54,25% do total são mulheres e constam a regularização ativa do título de eleitor. O público masculino fica na margem dos 45,75% do eleitorado, considerando a população de todo o Estado. Dos total apto, 82,28 têm biometria cadastrada.

    Por ser a Capital do MS, Campo Grande concentra o maior número de eleitores aptos (624.606), seguida de Dourados (139.478), Três Lagoas (78.284), Ponta Porã (62.416) e Corumbá (60.295). Os cinco municípios são considerados o maiores colégios eleitorais do Estado, assim como Figueirão tem o menor número expressivo, com 2.287.

    Fonte: Midiamax.

  • Bolsonaro provoca desconforto no PL ao defender auditoria nas urnas

    Depois de causar constrangimento aos militares ao dizer que eles  haviam sugerido ao TSE fazer uma apuração paralela das eleições, Jair Bolsonaro agora vem causando desconforto no próprio partido, o PL. 

    A razão é a tal auditoria nas eleições que o presidente da República anunciou na live da última quinta-feira (5). Na live, Bolsonaro afirmou que o PL contrataria uma empresa privada para fazer o serviço.  

    “A empresa vai pedir ao TSE uma quantidade grande de informações. O que pode acontecer? Essa empresa que faz auditoria no mundo todo, empresa de ponta, pode chegar à conclusão que, dada a documentação que se tem na mão, dado ao que já foi feito, ela pode falar que não foi auditável. Olha a que ponto vamos chegar”, disse Bolsonaro na live.

    A ideia da auditoria foi discutida pelo presidente com a cúpula do PL logo após o início da crise com o Supremo. Mas lideranças do partido e mesmo alguns membros da campanha a consideram inoportuna. 

    “Se Bolsonaro fizer questão, vamos contratar. Mas o PL é um partido da política. Não queremos de jeito nenhum essa briga com o TSE”, afirmou um integrante da direção ouvido reservadamente pela coluna. 

    Isso porque, embora a possibilidade de os partidos acompanharem a apuração esteja prevista na lei eleitoral, nem mesmo pessoas que estão na linha de frente sabem como o trabalho se dará na prática. 

    Conforme o grau de exigência de Bolsonaro, a tarefa poderá se tornar impraticável, uma vez que a Justiça Eleitoral conta, atualmente, com um depósito de cerca de 500 mil urnas.

    Um interlocutor do presidente admitiu à coluna que a ofensiva deve servir de “justificativa para depois não cumprir o resultado”, caso Bolsonaro seja derrotado nas eleições de outubro. 

    Os principais institutos de pesquisa preveem hoje uma vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas o chefe do Executivo tem conseguido recuperar a popularidade do governo.

    A legislação eleitoral prevê que, durante o período de preparação das urnas, será garantida aos representantes do Ministério Público, da OAB e partidos políticos “a conferência dos dados constantes das urnas, assim como a verificação da integridade e autenticidade dos sistemas eleitorais instalados em urnas eletrônicas”.

    Nos últimos dias, a equipe da coluna conversou sobre o assunto com três ministros do TSE, que procuraram minimizar as falas do presidente. “Não vejo problema algum. Se ele contratou uma empresa para auditar, é porque reconheceu que o processo de votação eletrônica é auditável. Já é um avanço”, afirmou um ministro. 

    “Espero que outros partidos façam o mesmo”, acrescentou outro magistrado. Para um terceiro integrante do TSE, não há nada de mais nas declarações do chefe do Executivo sobre a auditoria: “Isso é bobagem.”

    Em 2014, o PSDB contratou uma auditoria no sistema eleitoral, mas somente após a derrota apertada de Aécio Neves para Dilma Rousseff, por uma margem de apenas 3,5 milhões de votos. A auditoria contou com a participação de especialistas do Instituto Brasileiro de Peritos (IBP), da USP, do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e do Comitê Multidisciplinar Independente, grupo de especialistas em questões referentes ao voto eletrônico.

    “Não foram encontrados indícios de fraudes ou de erros sistemáticos que pudessem alterar os resultados depois que estes saem das urnas eletrônicas”, escreveram os especialistas contratados pelo PSDB.

    Fonte: Oglobo.

  • “Não podemos admitir sequer uma bravata relacionada a fechamento do STF”, diz Pacheco

    Para o presidente do Senado e do Congresso Nacional falas sobre cancelamento das eleições e volta da ditadura também são inadmissíveis

    O presidente do Senado e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), usou sua conta no Twitter nesta segunda-feira (9) para voltar a falar sobre ataques contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e eleições.

    “Não podemos admitir sequer uma bravata relacionada a fechamento do STF, a cancelamento de eleições, a volta da ditadura militar ou de atos institucionais”, escreveu Pacheco.

    Ele já havia comentado o assunto durante as manifestações que ocorreram em 1º Maio, Dia do Trabalhador.

    Na data, o senador afirmou que atos de protesto são um direito “sagrado”, mas disse que manifestações que pedem o fechamento do STF (Supremo Tribunal Federal) são uma “anomalia grave”.

    “Manifestações populares são expressão da vitalidade da democracia. Um direito sagrado, que não pode ser frustrado, agrade ou não as instituições. O 1º de Maio sempre foi marcado por posições e reivindicações dos trabalhadores brasileiro”, escreveu em uma postagem, que continuou na sequência.

    Na última terça-feira (3), Pacheco se reuniu com o presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, por cerca de 45 minutos.

    Eles conversaram sobre o compromisso de ambos com a harmonia entre os poderes, com o devido respeito à Constituição. E ressaltaram que as instituições seguirão atuando em prol da inegociável democracia e da rigidez do processo eleitoral.

    “Todas as instituições têm obrigação com a democracia, com o estado direito e com o cumprimento da Constituição. Esse alinhamento se faz através de diálogo, e é nisso que eu acredito”, afirmou Pacheco.

    Em nota obtida em primeira mão pela analista de política da CNN Carolina Brígido, Fux afirma que as “instituições atuam em prol da democracia”.

    Segundo a nota do Supremo, eles conversaram sobre o “compromisso de ambos para a harmonia entre os poderes, com o devido respeito às regras constitucionais. E ressaltaram que as instituições seguirão atuando em prol da inegociável democracia e da higidez do processo eleitoral.”

    Fonte: CNN.

  • DIESEL FICARÁ R$ 0,40 CENTAVOS MAIS CARO

    Petrobras anunciou nesta segunda-feira (9) que reajustou o preço de venda do diesel para as distribuidoras. Agora, o combustível passa a custar R$ 4,91, e não mais R$ 4,51, por litro, representando uma variação de 8,8%.

    Segundo a estatal, o preço não era reajustado há 60 dias. Já os valores atuais cobrados pela gasolina e pelo GLP foram mantidos. A mudança passa a valer a partir da próxima terça-feira (10).

    Em nota, a Petrobras afirmou que, considerando a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel no diesel comercializado, “a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 4,06, em média, para R$ 4,42 a cada litro vendido na bomba”. Com isso, a variação seria de R$ 0,36 por litro.

    A companhia afirma que a alta “segue outros fornecedores de combustíveis no Brasil que já promoveram ajustes nos seus preços de venda acompanhando os preços de mercado”.

    De acordo com a Petrobras, o último reajuste no preço do diesel, em 11 de março, refletiu apenas uma parte da alta observada nos preços de mercado.

    “Desde aquela data, a Petrobras manteve os seus preços de diesel e gasolina inalterados e reduziu os preços de GLP, observando a dinâmica de mercado de cada produto”, afirma.

    A empresa justificou a nova alta citando o balanço global impactado de diesel, com uma redução de oferta em relação à demanda e os estoques globais abaixo das mínimas sazonais dos últimos cinco anos nas principais regiões fornecedoras.

    “Esse desequilíbrio resultou na elevação dos preços de diesel no mundo inteiro, com a valorização deste combustível muito acima da valorização do petróleo. A diferença entre o preço do diesel e o preço do petróleo nunca esteve tão alta”, diz a nota.

    A Petrobras ressaltou que as refinais da empresa já estão operando próximas ao nível máximo, e que não há mais como aumentar a capacidade interna de refino do petróleo para produção de diesel para atender a demanda no país. Atualmente, cerca de 30% do total de diesel consumido vem de outras refinadoras e importadoras.

    “Isso significa que o equilíbrio de preços com o mercado é condição necessária para o adequado suprimento de toda a demanda, de forma natural, por muitos fornecedores que asseguram o abastecimento adequado”.

    Fonte: CNN.

  • ANDRÉ LIDERA CORRIDA PARA GOVERNADOR DO ESTADO


    Pesquisa do Instituto Ranking Brasil aponta que o ex-prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), cresceu cinco pontos percentuais, superou a deputada federal Rose Modesto (União Brasil) e empatou com o ex-governador André Puccinelli (MDB). Apesar do esforço da mídia local, do apoio de 71 dos 79 prefeitos e de 500 vereadores, o ex-secretário estadual de Infraestrutura, Eduardo Riedel (PSDB), empacou em 4º lugar.

    Realizado com 3 mil eleitores entre os dias 2 e 6 deste mês, o levantamento tem margem de erro de 1,8% e foi registrado na Justiça Eleitoral com os números BR-01171/2022 e MS-09961/2022. É a primeira pesquisa que inclui a candidata do PT, a advogada Giselle Marques, que substituiu o ex-governador Zeca do PT.

    No principal cenário, André segue em primeiro com 21,20%, praticamente o mesmo índice registrado em abril deste ano (21,10%). Réu na Operação Lama Asfáltica e condenado por coagir eleitores na campanha eleitoral de Edson Giroto em 2012, o emedebista vem liderando a maior parte dos levantamentos desde o ano passado.

    Marquinhos subiu quase cinco pontos, passando de 15,30%, no mês passado, para 20%, ficando em empate técnico com o ex-governador, considerando-se a margem de erro de 1,8% para mais ou menos. Ele superou pela primeira vez, na sondagem do Ranking, Rose Modesto, que passou de 18,40% para 17,3%.

    Candidato de Reinaldo Azambuja (PSDB), Riedel passou de 14,2% para 15,5% e manteve-se em 4º lugar. O tucano não conseguiu decolar mesmo com o esforço feito pela cúpula do Governo em promover a candidatura. Nem a estratégia de abandonar o candidato do PSDB a presidente, João Doria, e tentar colar em Jair Bolsonaro (PL) surtiu efeito, pelo menos até o momento.

    O deputado estadual Capitão Contar passou de 2,4% para 4%. Pela primeira vez, Giselle surge na pesquisa e aparece com 1,70%. O ex-governador Zeca do PT tinha 7%. O total de indecisos, votos brancos e nulos somaram 20,30%.

    No cenário sem a candidata do PT, considerando-se a hipótese do partido apoiar um dos candidatos mais bem colocados, André lidera com 21,4%, contra 22,5% há um mês. Marquinhos subiu de 17,40% para 20,1% e cravou o segundo lugar. Rose passou para o 3º lugar ao variar de 20,1% para 18%> Eduardo Riedel se manteve estável, passando e 16,20% para 16,30%.

    O terceiro cenário pesquisa confirma as colocações das outras simulações. André fica em primeiro, mas variou de 23,1% para 22,4%, enquanto Marquinhos saltou de 18,6% para 21,3%. Rose oscilou de 21,3% para 19,1%, enquanto Riedel empacou em 17%.

    Fonte: Ojacaré.

  • Telegram ignora acordo para reverter bloqueio e não inibe fake news

    Compromissos assumidos pela plataforma envolviam medidas para impedir desinformação em canais mais populares

    BRASÍLIA – O aplicativo de troca de mensagens Telegram conseguiu reverter, em 20 de março, uma ordem de bloqueio no Brasil ao se comprometer com uma série de medidas para evitar a propagação de fake news. Entre as promessas assumidas pela empresa estava o monitoramento dos cem canais mais populares no país. Uma análise feita pelo GLOBO, contudo, mostra que, mais de um mês depois, parte dessas contas que estão entre as mais acessadas no país continua a abrigar postagens com desinformações relacionadas às eleições, à vacina contra a Covid-19 e ao uso de máscara.

    A plataforma também assinou um documento com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se comprometendo a adotar medidas para combater fake news eleitorais. Até hoje, porém, o acordo não foi concretizado, e a plataforma não apresentou à Corte o que de fato será feito.

    Enquanto isso, a disputa eleitoral tem servido de combustível para impulsionar a disseminação de fake news na plataforma.

    Na reportagem completa para assinantes do GLOBO, você entenderá quais canais seguem operando à margem do acordo firmado entre Telegram e TSE, e qual foi o alcance do compromisso assumido pela plataforma para evitar o bloqueio.

    Fonte: Oglobo.

  • Secretaria de Assistência Social entrega 200 cestas básicas e 200 cobertores em Rio Brilhante e Prudêncio Thomaz

    O Governo Municipal por meio da Secretaria de Assistência Social realizou nesta quinta-feira (05) a entrega de 200 cestas básicas destinadas às famílias em situação de vulnerabilidade social.

    A ação contemplou os moradores, que são atendidos pelos programas de Assistência Social e ainda contou com a parceria da empresa Raízen com intuito de garantir qualidade de vida, segurança alimentar e principalmente suprir as necessidades momentâneas das famílias.

    No total foram atendidas 150 famílias de Rio Brilhante e 50 famílias no distrito de Prudêncio Thomaz. Ainda na ocasião, a equipe da Secretaria de Assistência Social entregou aos beneficiários 200 unidades de cobertores.

    Além dos itens, os beneficiários também foram contemplados com uma palestra ministrada pelo Gerente de Indústria e Comércio, Daniel Benites, que levou muita informação referente sobre a profissionalização.

    O Governo Municipal destacou o importante trabalho desenvolvido pela Assistência Social e ressaltou que esta entrega tem como principal objetivo ofertar qualidade de vida ao garantir alimento a mesa, além de auxiliar às famílias neste inverno.

    A Secretária de Assistência Social, Lívia Dias, pontuou a importância da parceria entre a empresa privada com a pública. “O resultado é para nossa população mais vulnerável. É por essa e outras parcerias, que nós da Assistência Social e Governo Municipal agradecemos”, disse.

    Fonte: Assessoria.

  • Ipespe/XP: Lula 44% x Bolsonaro 31%

    Pesquisa realizada na primeira semana de maio não mostra alterações no cenário eleitoral; margem de erro é de 3,2 pontos percentuais

    A primeira rodada de maio da pesquisa Ipespe/XP mostra estabilidade no cenário eleitoral. Lula segue liderando com 44% — um ponto a menos que na rodada anterior —, seguido de Jair Bolsonaro com 31%, mesmo patamar de duas semanas atrás.

    Depois aparecem Ciro Gomes (8%), João Doria (3%) e André Janones (2%). Simone Tebet oscilou de 2% para 1% e Luiz Felipe d’Ávila marcou 1%. Outros candidatos não chegaram a 1%.

    No levantamento espontâneo, o petista se mantém na dianteira com 38%. Bolsonaro oscilou um ponto para mais, indo a 29%.

    Foram realizadas 1.000 entrevistas de abrangência nacional, nos dias 2, 3 e 4 de maio. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

    Primeiro turno

    Intenção de voto estimulada para presidente:

    • Lula – 44%
    • Bolsonaro – 31%
    • Ciro Gomes – 8%
    • Doria – 3%
    • Janones – 2%
    • Tebet – 1%
    • Felipe d’Avila – 1%
    • Vera – 0%
    • Eymael – 0%
    • Luciano Bivar – 0%
    • Branco/Nulo –8%
    • Indecisos – 2%

    Segundo turno

    Intenção de voto estimulada para presidente:

    Cenário 1

    • Lula – 54%
    • Bolsonaro – 34%
    • Branco/Nulo/Não votaria/Indecisos – 12%

    Cenário 2

    • Lula – 52%
    • Ciro Gomes – 25%
    • Branco/Nulo/Não votaria/Indecisos – 23%

    Cenário 3

    • Lula – 55%
    • Doria – 19%
    • Branco/Nulo/Não votaria/Indecisos – 26%

    Cenário 4

    • Ciro Gomes – 45%
    • Bolsonaro – 38%
    • Branco/Nulo/Não votaria/Indecisos – 17%

    Cenário 5

    • Bolsonaro – 39%
    • Doria – 37%
    • Branco/Nulo/Não votaria/Indecisos – 24%

    Fonte: Oantagonista.

  • Chapa Lula-Alckmin: dupla lança pré-candidatura neste fim de semana

    O evento, realizado em São Paulo, está sendo chamado de lançamento do movimento “Vamos Juntos Pelo Brasil”, e promete reunir políticos de diversos partidos

    O Partido dos Trabalhadores (PT) marcou um evento para este sábado (7) em que vai oficializar a pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para concorrer à Presidência da República, em outubro deste ano. O ato também marca a oficialização da chapa, com o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSB), como vice do petista.

    O evento está sendo chamado de lançamento do movimento “Vamos Juntos Pelo Brasil”, e promete reunir políticos de diversos partidos apoiadores da chapa, incluindo PCdoB, Solidariedade, PSOL, PV e Rede, e das centrais sindicais. São esperadas cerca de 4.000 pessoas a partir das 10 horas, no Expo Center Norte, em São Paulo. Além de Lula, Alckmin também fará um pronunciamento, mostrando qual será o tom da campanha dos dois.

    Na quarta-feira, 4, o ex-governador se reuniu com o ex-ministro Aloizio Mercadante para discutir o programa de governo da candidatura do ex-presidente Lula ao Palácio do Planalto. Na reunião, Mercadante pediu indicações de nomes técnicos para debater o programa de governo e sugestões ao ex-governador, que defendeu a necessidade de se construir um “pacto republicano” no país. Alckmin falou também do agronegócio. Parte do setor rejeita Lula e prefere o presidente Jair Bolsonaro (PL), mas o ex-governador tem tentado reduzir essa resistência ao petista no setor rural.

    “O Alckmin agrega experiência, agrega um setor da sociedade que durante muito tempo não votou no PT ou não quis votar no PT. O Alckmin agrega pessoas que pensam diferente de nós em muitas coisas”, defendeu Lula, ontem, em entrevista à Rádio CBN Campinas. O PT espera que o ex-tucano também ajude a campanha a se aproximar de eleitores evangélicos e do mercado financeiro.

    Em nota, Mercadante disse que Alckmin será uma “liderança fundamental” para derrotar Bolsonaro nas urnas em outubro. “Nosso entendimento é de que o pacto republicano e o pacto federativo, que estão sendo destituídos por Bolsonaro, precisam ser resgatados no Brasil, por meio da construção de relações de respeito e do estabelecimento de critérios para a distribuição de verbas públicas, seja no SUS, na educação ou nos investimentos”, afirmou o ex-ministro, presidente da Fundação Perseu Abramo e um dos coordenadores da campanha de Lula.

    De acordo com Mercadante, Alckmin também discutiu formas de alavancar investimentos para retomar obras públicas paradas no País. O ex-governador deve continuar participando de forma ativa da construção do plano de governo.

    A campanha de Lula passa por uma crise de comunicação. Em entrevista à revista Time, o líder nas pesquisas de intenção de voto afirmou que o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, é tão responsável pela guerra no país quanto o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que ordenou a invasão do território ucraniano. O petista figura na capa da edição mais recente da revista americana.

    Marqueteiro

    Em 25 de abril, o PT escolheu o publicitário baiano Sidônio Palmeira para comandar os programas de rádio e TV da campanha de Lula ao Palácio do Planalto. Na semana anterior, o partido havia anunciado a saída do marqueteiro Augusto Fonseca, que ficou desgastado diante de divergências relacionadas aos rumos da campanha.

    Sidônio é diretor da agência Leiaute, em Salvador, e foi responsável pelos programas de TV de Fernando Haddad em 2018, quando o ex-ministro concorreu à Presidência e foi derrotado por Bolsonaro. Também já comandou campanhas de petistas como o ex-governador da Bahia Jaques Wagner e o atual, Rui Costa.

    As divergências no comitê de Lula haviam aumentado diante de trocas de acusações entre o ex-ministro Franklin Martins, o coordenador de Comunicação que bancou o nome de Fonseca, e o secretário de Comunicação do PT, Jilmar Tatto. Na prática, Franklin se afastou do dia a dia da campanha, e o partido avalia colocar o prefeito de Araraquara (SP), Edinho Silva, no lugar dele.

    Fonte: Exame.

  • Aumento da gasolina: importadores esperam alta de até 25% nos combustíveis

    O último reajuste da Petrobras nos preços da gasolina e do diesel foi há 55 dias. Expectativa das importadoras e do mercado é de nova alta “a qualquer momento”

    Embora altos para o consumidor, os preços dos combustíveis praticados pela Petrobras estão defasados e precisariam aumentar novamente para manter a paridade com o mercado internacional, segundo os cálculos da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) nesta quinta-feira, 5.

    A defasagem atual é de 17% no caso da gasolina e 25% no óleo diesel, com base nos preços de fechamento do mercado na quarta-feira, 4.

    A expectativa das importadoras é de que um novo reajuste que cubra essa diferença possa ser anunciado “a qualquer momento”, diz Sergio Araújo, presidente da Abicom.

    último aumento nos combustíveis foi feito pela Petrobras em 11 de março, há 55 dias. Na ocasião, a gasolina aumentou 19%, o diesel, 25%, e o GLP, usado no gás de botijão, subiu 16%.

    Há muita atenção cercando a divulgação do balanço da Petrobras nesta quinta-feira, após o fechamento do mercado, além de uma coletiva sobre os resultados marcada para a tarde de sexta-feira, 6. A avaliação é que alguma sinalização sobre um novo reajuste possa ser dada nessa oportunidade.

    “Considerando essas defasagens elevadas, o tempo que a Petrobras está sem dar reajuste, e os posicionamentos da nova direção, inclusive do novo presidente, sobre a necessidade de alinhamento dos preços – até para mitigar risco de desabastecimento -, o mercado todo está na expectativa de a qualquer momento a Petrobras anunciar esse aumento”, diz Araújo.

    Uma nova diretoria da Petrobras tomou posse após a demissão do ex-presidente da estatal, general Joaquim Silva e Luna. O engenheiro José Mauro Coelho foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) à presidência da companhia, e tem dado entrevistas sinalizando que deve manter a política de paridade com o mercado internacional.

    Fonte: Exame.

  • Ciro Gomes chama dono do Coco Bambu de vagabundo, e empresário rebate

    Episódio é explorado por bolsonaristas em pré-campanha, como Mayra Pinheiro. Afrânio Barreiras diz pagar R$ 100 milhões por mês em impostos

    O pré-candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) está envolvido em uma polêmica com o empresário Afrânio Barreira, dono da rede de restaurantes Coco Bambu, e sendo atacado por bolsonaristas que estão em pré-campanha. Em entrevista a um canal no YouTube no último dia 2 de maio, Ciro chamou Barreira de “vagabundo” e o acusou de sonegar impostos. O empresário retrucou, afirmando que o político espalha inverdades para aparecer na mídia.

    Ciro usou o dono do Coco Bambu de exemplo após fazer uma crítica mais geral a “empresários inescrupulosos, sonegadores de impostos, que estão aqui em Fortaleza fazendo política bolsonarista”. “Esse vagabundo do Coco Bambu tem 50 restaurantes no Brasil e no mundo, cada um deles tem uma razão social diferente pra não pagar imposto, para estar no Super Simples. Por isso que são tudo bolsonaristas, porque é tudo marginal”, disparou Ciro, em entrevista ao canal Em Cima do Muro”.

    Resposta

    Em nota, o empresário Afrânio Barreira respondeu a Ciro Gomes.

    “O Coco Bambu passou por todos os governos durante esse período, sempre com forte crescimento. O apoio ao governo Bolsonaro é por convicção de ser o melhor para o Brasil e para os brasileiros”, escreveu ele, que também negou sonegar impostos.

    “O Coco Bambu, principalmente no Ceará, é ostensivamente fiscalizado há muitos anos. Nunca existiu sonegação fiscal no Coco Bambu. Crescemos organicamente durante 30 anos através do trabalho. As 64 lojas têm faturamento acima do limite máximo permitido pelo Simples. Em 2021, pagamos entre impostos federais e estaduais aproximadamente R$ 100 milhões, gerando 7.200 empregos diretos no Brasil”, diz o texto.

    “É lamentável que um candidato à Presidência da República utilize desses meios, denegrindo pessoas de bem, espalhando inverdades para aparecer na mídia”, concluiu o empresário.

    Exploração política

    Nas redes sociais, políticos como Mayra Pinheiro, ex-secretária do Ministério da Saúde que ficou conhecida como “Capitã Cloroquina”, postou vídeo, ao lado do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), em uma unidade do restaurante em Brasília. “Ciro, como cearense, o Coco Bambu é orgulho para todos nós. O que eu tenho a dizer a você é que o meu sentimento é de vergonha. E, como médica, o conselho que eu dou é: procure urgente um psiquiatra”, disse ela.

    Fonte: Metrópoles.

  • MPRJ espera STF para avançar em inquérito de rachadinha de Carluxo

    Ministério Público do Rio de Janeiro aguarda o entendimento do Supremo sobre o crime de peculato

    O procurador Alexandre Graça, do Ministério Público do Rio de Janeiro, quer esperar uma decisão do STF para decidir o possível enquadramento de Carlos Bolsonaro no caso que investiga suposta prática de peculato pelo vereador, por meio da devolução de salários de servidores, em seu gabinete na Câmara do Rio de Janeiro.

    O STF ainda vai definir se a devolução de dinheiro por assessores parlamentares é de fato crime. O caso que definirá se a prática é crime de peculato ou corrupção, uma ação penal contra o deputado Silas Câmara, do Republicanos do Amazonas, está empacado no Supremo e não tem data para ser julgado.

    O resultado do julgamento valerá apenas para o caso concreto do parlamentar, mas será um parâmetro para a Justiça analisar casos semelhantes.

    Graça não teria obrigatoriamente que esperar isso para, diante de provas, decidir o que fazer.

    O MPRJ recebeu nesta terça-feira (3/5) dados fiscais e bancários de Carlos e mais 26 assessores que passaram pelo seu gabinete desde 2001. As investigações têm a missão de descobrir como o dinheiro supostamente devolvido foi usado.

    Caso o dinheiro tenha sido devolvido para financiar campanhas de Carlos, por exemplo, o crime pode ir para a Justiça Eleitoral. Contudo, caso o retorno tenha sido para enriquecimento do vereador, e o STF definir que a prática configura crime de peculato, Carlos pode ser denunciado na Justiça normal, como, por exemplo, foi seu irmão, Flávio Bolsonaro.

    Fonte: Metrópoles.

  • Diretor da CIA pediu a Bolsonaro para não questionar mais eleições, diz Reuters

    Conversa teria ocorrido durante reunião em julho do ano passado

    O diretor da CIA disse a integrantes do governo de Jair Bolsonaro (PL) que o presidente deveria deixar de questionar a integridade das eleições no país, segundo a Reuters. O alerta, de acordo com fontes ouvidas pela agência, foi feito por William Burns em uma reunião em julho do ano passado.

    O diretor da CIA é a autoridade de mais alto escalão dos EUA a ter se reunido em Brasília com o integrantes do Planalto desde a eleição de Joe Biden. Na ocasião, Burns se reuniu com Bolsonaro, com o ministro-chefe do Gabinete Institucional, o general Augusto Heleno, e com o então diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem.

    Até o momento, Bolsonaro (foto) nem a CIA se pronunciaram sobre o assunto.

    Fonte: Oantagonista.

  • TSE bate novo recorde e registra 1,3 milhão de atendimentos no último dia 

    Prazo para ficar apto a votar no pleito deste ano acabou nesta quarta-feira (4). Nos últimos 31 dias, 8,5 milhões de pedidos foram protocolados.

    Tribunal Superior Eleitoral (TSE) superou a marca histórica de atendimentos nesta quarta-feira (4), último dia para tirar ou regularizar o título de eleitor e votar no pleito deste ano. A Justiça Eleitoral somou 1,3 milhão de atendimentos: 830.850 mil pela internet e 512.756 mil de forma presencial.

    O número apenas desta quarta é próximo ao que o TSE registrou na soma dos três últimos dias anteriores ao prazo-limite para as eleições de 2018, quando 1,5 milhão de atendimentos foram realizados.

    Nos últimos 31 dias, de acordo com o TSE, foram 8,5 milhões de pedidos atendidos. Desse total, 4.550.465 milhões de forma presencial nos cartórios pelo sistema Elo e 4.003.054 milhões de solicitações feitas de forma virtual pelo Título Net.

    A quantidade deste ano também é superior aos registros do pleito de 2018. À época, a Justiça Eleitoral registrou 8,2 milhões de solicitações de eleitores em 60 dias — quantidade batida em 31 dias neste ano.

    Também nesta quarta, foi registrado o recorde de acessos simultâneos ao sistema do TSE. Segundo o tribunal, 345 mil pessoas estavam conectadas ao mesmo tempo.

    Distrito Federal

    De acordo com o o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF), foram registrados 4.423 pedidos presenciais nesta quarta-feira, sendo 1.326 de alistamento, 1.684 de transferência de domicílio eleitoral, 1.289 solicitações de revisão e 124 pedidos de segunda via.

    Os números de atendimentos realizados on-line serão divulgados nesta quinta-feira (5). Todos os eleitores e eleitoras que solicitaram a emissão, transferência ou regularização do título dentro do prazo receberão o resultado da solicitação em até um mês, segundo o tribunal.

    Eleitores com títulos cancelados ficam impedidos de obter passaporte, carteira de identidade ou qualquer documento que exija quitação eleitoral. Além disso, não pode inscrever-se em concurso público, tomar posse ou receber salário de cargo ou função pública.

    Fica proibida ainda a participação em concorrência pública ou administrativa em qualquer autarquia da União, renovação de matrícula em instituições oficiais de ensino e obter empréstimos em bancos mantidos pelo governo.

    A partir desta quinta, não são mais permitidas solicitações de emissão, transferência e mudança no cadastro eleitoral. A retomada dos atendimentos ocorre apenas após o fim das eleições deste ano.

    Fonte: Globo.com

  • Zé Teixeira enaltece qualidades do ex-presidente da Sanesul Walter Carneiro Júnior

    O deputado estadual Zé Teixeira (PSDB), atualmente no sétimo mandato consecutivo na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, disse que avalia o trabalho de Walter Carneiro Júnior à frente da presidência da Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul) como extremamente positivo. Teixeira tenta o oitavo mandato nas eleições deste ano

    “O Waltinho foi uma das maiores surpresas, foi quem conseguiu fazer todas as políticas essenciais de política pública privada para investir em tudo quanto é lugar neste Mato Grosso do Sul. Eu andei com ele entregando obras de vulto porque saneamento e água tratada é saúde antecipada. Ele deixa um legado de um trabalho eficiente, um trabalho extraordinário”, elogiou um dos mais influentes políticos de Mato Grosso do Sul.

    O ex-diretor-presidente da companhia de saneamento filiou-se ao PP para postular uma cadeira na Câmara dos Deputados dentro de um amplo projeto que inclui a eleição de Eduardo Riedel (PSDB) para o Governo do Estado e a ex-ministra Tereza Cristina para o Senado nas eleições de 2 de outubro.

    Zé Teixeira ressaltou ainda as qualidades de Walter Carneiro Júnior na condução da gestão pública relacionada ao corpo técnico da empresa, que conta com mais de 1.400 colaboradores que atuam desde a sua sede, na Capital, e nas 68 unidades consumidoras.

    “A forma com que ele tratou os funcionários de carreira da empresa, a forma educada e elegante, a cobrança, levantar o destino para que as pessoas do quadro da empresa efetivamente mostrem a qualidade que eles têm para fazer uma Sanesul séria, trabalhadora e eficiente, isso tem em todas as cidades do estado de Mato Grosso do Sul, que a Sanesul é a gestora”, acrescentou.

    O deputado tucano falou ainda sobre o futuro político do advogado, cuja principal base eleitoral é Dourados, segunda maior cidade do Estado.

    “Ele está saindo para uma empreitada nova, e para essa outra empreitada ele tem todos os requisitos. Eu quero estar junto ajudando ele, levando o nome dele junto comigo nessa caminhada. E caso tenha êxito, ele será, na minha visão, um deputado federal dos mais competentes e atuantes para ajudar Mato Grosso do Sul e o Brasil”, opinou Zé Teixeira.

    Fonte: Folhadedourados.

  • CPI quer retirar 107 padrões da Energisa em MS para análise na USP em até 24h

    No segundo dia de CPI, membros deliberaram retirada dos 107 relógios de energia para quinta-feira (05)

    Os membros da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Energisa deliberaram o pedido para retirada dos padrões de energia, durante a reunião extraordinária desta quarta-feira (04), na Assembleia Legislativa. A ação contou com a presença da assessoria da concessionária Energisa e da defensora Jane Inês Dietrich.

    A reunião deliberou a ordem de serviço para a retirada de todos os relógios nesta quinta-feira (05), além de definir a organização de equipes para acompanhar a concessionária Energisa durante o procedimento. Participarão servidores do gabinete de cada membro da CPI, como Capitão Contar (PRTB), Felipe Orro (PSD), Lucas de Lima (PDT) e Barbosinha (PP).

    Os representantes da Concessionária Energisa acompanharam a reunião e não se pronunciaram diante das mudanças apresentadas.

    Extraordinária

    Na terça-feira (3), ocorreu a primeira reunião extraordinária, no Plenário Deputado Júlio Maia. Os membros do grupo de trabalho realizam uma sessão extraordinária para definir o retorno dos trabalhos e as deliberações das próximas reuniões. Confira os trabalhos da CPI da Energisaclicando aqui.

    Transmissão

    As reuniões foram pautadas para terça e quarta-feira, no Plenário Júlio Maia e respectivamente, e serão transmitidas ao vivo pelos canais oficiais de comunicação da Casa de Leis — canal 9 da Claro Net TV, TV ALEMS, YouTube, Facebook, Rádio Alems e aplicativo Assembleia MS.

    Fonte: Midiamax.

  • Daniel Silveira diz a oficial de Justiça que não vai usar mais tornozeleira eletrônica

    Servidora foi à Câmara para intimar o parlamentr e ao se identificar como oficial de Justiça do STF, ele se recusou a receber o mandado

    A oficial de Justiça Doralúcia das Neves enviou um ofício ao Supremo Tribunal Federal no qual afirma que foi à Câmara dos Deputados, e que Daniel Silveira afirmou que “não vai mais usar tornozeleira, pois está cumprindo o decreto do Presidente da República“.

    A oficial foi ao gabinete às 11h e o parlamentar não estava no local, mas foi informada que estaria em exercício em alguma das Comissões.

    “Por volta das 12h35min, deixei de intimar o deputado federal uma vez que ao encontrá-lo e me identificar como oficial de Justiça do STF, ele se recusou a receber o mandado”, disse.

    Multa

    Na terça-feira (3), o ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou a aplicação de multa R$ 405 mil ao deputado bolsonarista por descumprimento de restrições impostas pela Corte —entre os quais o uso da tornozeleira eletrônica e a proibição de participar de eventos públicos e conceder entrevistas.

    Para que o valor da multa seja preservado, Moraes determinou o bloqueio de bens das contas do parlamentar e o bloqueio parcial em até 25% dos vencimentos de Silveira pagos pela Câmara dos Deputados, “até o cumprimento integral da multa aplicada”.

    Moraes destaca em sua decisão que Silveira descumpriu 27 vezes as restrições impostas pela Corte. O ministro elenca que o parlamentar deixou de usar a tornozeleira eletrônica por 22 dias, além de comparecer a eventos públicos e conceder entrevistas.

    Fonte: CNN.

  • Zeca do PT confirma pré-candidatura para deputado estadual nas eleições deste ano

    Em 1990, Zeca se tornou o primeiro deputado estadual do PT eleito em MS. Foi reeleito em 1994

    Após a desistência na disputa pelo Governo de Mato Grosso do Sul, o ex-governador do Estado, Zeca do PT, confirmou a sua pré-candidatura ao cargo de deputado estadual nas eleições deste ano. Em 1990, Zeca se tornou o primeiro deputado estadual do PT eleito em MS. Foi reeleito em 1994.

    Hoje, o PT tem duas cadeiras na Assembleia Legislativa de MS, ocupadas por Pedro Kemp e Amarildo Cruz, que já confirmaram que concorrer à reeleição. Na bancada federal, Vander Loubet representa a singla.

    No começo de abril, a diretoria executiva estadual do PT publicou nota informando que Zeca do PT, ia retirar sua pré-candidatura ao governo do Estado por motivos pessoais. Pouco tempo depois, a sigla apresentou Giselle Marques na disputa.

    Após alguns anos longe da vida pública, aposentado como bancário, Zeca foi eleito em 2012 o vereador mais votado de Campo Grande. Na sequência, ele se candidatou ao cargo de deputado federal em 2014 onde recebeu a confiança de 160.556 eleitores, 12,57% dos votos válidos, a 3ª maior votação percentual do País para deputado federal em 2014.

    Fonte: A CRÍTICA.

  • Forças Armadas compraram Viagra com superfaturamento de até 550%

    Segundo o deputado federal Elias Vaz, prejuízos aos cofres da união podem ter chegado a R$ 28 milhões com a aquisição do produto

    O deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) apresentou representação ao Tribunal de Contas da União pedindo a investigação de compra do governo federal para as Forças Armadas de 11 milhões de comprimidos de citrato de sildenafila, o popular Viagra.

    Segundo o parlamentar, houve superfaturamento de até 550% com a aquisição do produto.

    “O prejuízo à União pode passar de R$28 milhões. É dinheiro público indo para o ralo da corrupção enquanto o povo brasileiro recolhe alimentos no lixo e come sopa de osso. Essa situação precisa ser investigada”, disse o parlamentar.

    Na semana passada, o deputado divulgou os detalhes do contrato firmado entre o Comando da Marinha e o laboratório EMS S/A para fornecimento de mais de 11 milhões de comprimidos de citrato de sildenafila de 20, 25 e 50 miligramas de 2019 a 2022.

    O acordo prevê ainda a transferência de tecnologia de fabricação do medicamento pelo laboratório da Marinha, causando questionamento sobre a finalidade dessa medida e os critérios para a produção de remédios pelas Forças Armadas.

    O Pregão Eletrônico n° 74/2021, promovido pelo Departamento de Logística do Ministério da Saúde para fornecimento de 879.912 comprimidos de citrato de sildenafila de 25 e 50 miligramas, obteve o preço unitário de R$ 0,48, mesmo preço alcançado pelo Pregão Eletrônico n° 16/2022, que também foi promovido pelo Departamento de Logística do Ministério da Saúde para a compra de 745.074 comprimidos de 25 e 50 miligramas.

    Entretanto, conforme informações do Portal da Transparência do Governo Federal, a compra para as Forças Armadas dos comprimidos saiu entre R$2,91 e R$3,14, valores muito acima dos praticados pelo Ministério da Saúde.

    A diferença em relação aos preços de empenhos da Marinha é de  550% .

    Fonte: Oantagonista.

  • Moraes determina multa de R$ 405 mil a Daniel Silveira

    O ministro do Supremo Tribunal Federal manteve todas as restrições já impostas ao parlamentar, incluindo o uso da tornozeleira eletrônica

    O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, nesta terça-feira (3/5), uma multa de R$ 405 mil ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) pelo descumprimento de medidas judiciais. Na decisão, Moraes manteve todas as restrições já impostas ao parlamentar, incluindo o uso da tornozeleira eletrônica.

    “Verificada a não observância das medidas cautelares impostas em 27 (vinte e sete) ocasiões distintas, caracterizados como descumprimentos autônomos, e considerando a multa diária fixada e referendada pelo Pleno da Suprema Corte, é exigível a sanção pecuniária no valor total de R$ 405.000,00 (quatrocentos e cinco mil reais) em desfavor do réu Daniel Lúcio da Silveira”, diz o despacho de Moraes.

    Para garantir que Silveira pague a multa, o ministro do STF determinou o bloqueio de valores no nome de Daniel Silveira no sistema financeiro nacional; o bloqueio imediato de todas as contas bancárias do deputado; e o bloqueio de 25% dos vencimentos pagos pela Câmara ao parlamentar, até o cumprimento integral da multa aplicada.

    Moraes argumentou que a multa segue válida mesmo após o presidente Jair Bolsonaro (PL) ter concedido perdão às penas impostas pelo Supremo a Silveira. O ministro disse que o ato do mandatário da República não se relaciona com a condenação, “mas sim com o desrespeito às medidas cautelares fixadas, sem qualquer relação com a concessão do indulto”.

    Uso de tornozeleira

    Na semana passada, a Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal informou que a tornozeleira eletrônica de Daniel Silveira estava descarregada desde 17 de abril. dia 17. O deputado passou a usar o equipamento em 31 de março, após determinação de Moraes.

    Em resposta, a defesa do parlamentar informou ao STF que o sinal da tornozeleira tinha sido interrompido em função de um “defeito” no equipamento.

    Na decisão desta terça, o ministro Alexandre de Moraes deu um prazo de 24 horas para que Daniel Silveira compareça na Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal para colocar um novo dispositivo.

    Condenação de Silveira

    Em 20 de abril, o o plenário do Supremo Tribunal Federal condenou o parlamentar a 8 anos e 9 meses de prisão em regime fechado por estímulo a atos antidemocráticos e ataques a ministros do tribunal e instituições como o próprio STF. Um dia depois, o presidente Jair Bolsonaro concedeu perdão às penas impostas pelo Supremo ao deputado.

    Durante o julgamento, o relator do caso, o ministro Alexandre de Moraes, também estabeleceu a perda do mandato e dos direitos políticos de Silveira e uma multa de R$ 200 mil. Nove ministros acompanharam o voto de Moraes. O único a votar pela absolvição do parlamentar foi Kassio Nunes Marques.

    O primeiro efeito da condenação é a inelegibilidade. Ela será reconhecida judicialmente se e quando Daniel Silveira pedir registro de uma candidatura. Quanto à perda do mandato, o Supremo, depois do trânsito em julgado da ação, vai comunicar a decisão para a Câmara dos Deputados, onde deve ser procedido o trâmite interno. O presidente Arthur Lira (PP-AL) defende que a perda de mandato seja discuta pelos parlamentares. A prisão também não ocorre de imediato, porque ainda cabe recurso.

    Histórico

    Daniel Silveira virou réu em abril do ano passado no inquérito que apura atos antidemocráticos. Em fevereiro de 2021, por ordem do ministro Alexandre de Moraes, ele foi preso por ter publicado um vídeo no qual defende o AI-5 – o instrumento de repressão mais duro da ditadura militar – e a destituição dos ministros do Supremo Tribunal Federal. As incitações feitas pelo deputado são inconstitucionais.

    Durante a investigação, o deputado foi alvo de outro pedido de prisão e medidas restritivas, uma vez que ele descumpriu ordens judiciais ao deixar de usar tornozeleira eletrônica e se comunicar com outros investigados do inquérito.

    Em março deste ano, Moraes determinou que o deputado voltasse a usar tornozeleira eletrônica. Silveira se recusou a cumprir a medida. Ele só obedeceu à ordem judicial depois que o ministro do STF determinou o pagamento de uma multa diária de R$ 15 mil e bloqueio das contas do parlamentar.

    Fonte: Metrópoles.

  • “Forças Armadas estão comprometidas com a democracia”, diz ministro

    Titular da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira disse ao presidente do STF, Luiz Fux, que militares atuarão pelo bem do processo eleitoral

    Após reunião com o titular do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, recebeu em seu gabinete o ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, ex-comandante do Exército Brasileiro.

    O encontro, que estava previsto inicialmente para acontecer nesta quarta-feira (4/5), acabou antecipado para esta terça-feira (3/5). A reunião foi pedida pelo próprio general, que chegou às 17h horas ao Supremo.

    A reunião ocorreu dentro de um contexto no qual o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem voltado a colocar em xeque a atuação do Judiciário, em especial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), retomando o discurso de questionamento sobre a lisura do processo eleitoral.

    Nogueira assegurou a Fux que “as Forças Armadas estão comprometidas com a democracia brasileira, e que os militares atuarão, no âmbito de suas competências, para que o processo eleitoral transcorra normalmente e sem incidentes”.

    Por sua vez, o presidente do STF ressaltou que a Suprema Corte brasileira preza pela harmonia entre os poderes e pelo respeito entre as instituições.

    Serenar os ânimos

    A reunião entre o general Nogueira e Fux pode servir para serenar os ânimos entre o Executivo e o Judiciário, acirrados mais uma vez depois dos novos ataques de Bolsonaro à Suprema Corte e ao TSE.

    Em fala durante o “Ato Cívico pela Liberdade de Expressão”, no Palácio do Planalto, em Brasília, o mandatário do país afirmou que uma saída para garantir a lisura das eleições está em sugestões feitas pelas Forças Armadas ao TSE. “Não precisamos do voto impresso para garantir a lisura das eleições, mas precisamos de ter uma maneira – e ali, nessas sugestões, existe essa maneira – para a gente confiar nas eleições”, insistiu.

    O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, manifestou-se em defesa da Justiça Eleitoral e do sistema eletrônico de votação, na ocasião.

    “As instituições e a sociedade podem ter convicção da normalidade do processo eleitoral. A Justiça Eleitoral é eficiente, e as urnas eletrônicas confiáveis”, escreveu Pacheco. “Não tem cabimento levantar qualquer dúvida sobre as eleições no Brasil”, afirmou.

    Fonte: Metrópoles.

  • Governo enfrenta greve no Banco Central, INSS e Ministério do Trabalho

    Categorias pedem reajuste de salário além do 5% proposto pelo governo federal. Funcionários do BC protestam nesta quarta (4/5)

    Depois de assembleia na última sexta-feira (29/4), os servidores do Banco Central retomaram a greve por tempo indeterminado. Os funcionários, que já ficaram 19 dias parados em abril, se unem aos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e do Ministério do Trabalho e Previdência (MTP), que também cruzaram os braços em busca de reajuste salarial.

    As mobilizações do funcionalismo público ganharam força depois dos contundentes acenos do presidente Jair Bolsonaro (PL) às carreiras policiais. A pressão deu resultado, e o governo recuou, anunciando reajuste linear de 5% para todas as categorias da União.

    O valor, no entanto, é considerado inadequado pelos servidores. A porcentagem mínima, para repor as perdas salariais sofridas, segundo eles, desde o início da atual gestão do Palácio do Planalto, seria de 19,99%, chamado de “reajuste salarial emergencial”.

    No INSS e no MTP, a greve acontece desde o fim de março. De acordo com o MTP, a fila para realização de perícias médicas já passa de 1 milhão de agendamentos.

    Servidores do INSS se reúnem, durante esta semana, com representantes do órgão para negociar em prol do reajuste e também reestruturação das carreiras.

    O novo momento de paralisação no Banco Central teve início depois que o presidente da instituição, Roberto Campos Netto, não promoveu encontro com representantes do sindicato e o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira.

    “Acreditamos que essa parte da luta vai ser até o governo ceder, abrir negociação e montar uma proposta”, defende Fábio Faiad, do Sindicato Nacional de Funcionários do Banco Central (Sinal).

    Faiad explica que 50% dos servidores do órgão estão em greve, com perspectiva de aumento da adesão. Serviços essenciais, como o PIX, não serão prejudicados. Funções de relações do banco com sistemas financeiros, sim, devem apresentar alterações.

    Existem, ainda, as categorias que optaram pela operação padrão como forma de pressionar o governo federal. A estratégia, também chamada de operação tartaruga, consiste em, por exemplo, analisar documentações de modo mais rigoroso, com mais tempo gasto em cada atividade.

    Dentro deste grupo estão, por exemplo, os auditores fiscais federais agropecuários e funcionários da Receita Federal.

    Associações policiais reagem a recuo do presidente

    Também na sexta-feira (29/4), associações representativas dos servidores da Polícia Federal divulgaram nota conjunta em que relatam “descaso” e “total falta de vontade política para cumprir compromissos públicos firmados em relação à valorização dos profissionais de segurança pública da União”.

    As organizações ressaltam que, nos próximos dias, serão feitas assembleias a fim de analisar “propostas para fazer frente a esse possível desrespeito” e alertam: “Nenhuma iniciativa será descartada”, e os servidores “não receberão esse duro golpe calados”.

    Assinam o pronunciamento a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), a Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (Fenadepol) e o Sindicato Nacional dos Servidores do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal (Sinpecpf).

    Outro lado

    Procurado pela reportagem, o Ministério da Economia afirmou que não vai se pronunciar sobre a greve dos servidores e as tratativas para reajuste salarial das categorias.

    Fonte: Metrópoles.

  • VÍDEO: clientes disputam cebola a R$ 0,99 durante inauguração de atacadista

    Vídeo mostra clientes na disputa por cebolas a R$ 0,99 durante inauguração de um supermercado em Planaltina, no Distrito Federal. Na última quarta-feira (27) e domingo (01), o Atacadão Dia a Dia de Planaltina fez promoções de frutas, legumes e verduras ao preço de R$ 0,99.

    Além da cebola, batata, limão, laranja, banana nanica, mamão formosa, beterraba, melancia e outros produtos estavam na promoção. O quilo da cebola é vendido, em média, por R$ 6,5 na Centra de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF), publicou o site Metrópoles.

    Fonte: Midiamax.

  • Justiça bloqueia R$ 22,2 mil de Carla Zambelli para indenizar Tom Zé

    O cantor, com o compositor José Miguel Wisnick, venceu ação judicial por danos morais decorrentes de uso indevido de uma música da dupla

    A Justiça de São Paulo decidiu manter o bloqueio de R$ 22.249,99 das contas bancárias da deputada federal Carla Zambelli (PL-SP).

    O congelamento do valor foi provocado por cobrança dos músicos Tom Zé e José Miguel Wisnik. Os dois venceram uma ação por danos morais contra Zambelli, uma das mais fiéis aliadas do presidente Jair Bolsonaro (PL) no Congresso.

    A ação, ajuizada em agosto de 2020, questionava o uso da música Xiquexique em um vídeo que sugeria apoio das regiões Norte e Nordeste do Brasil a Bolsonaro, em postagem da deputada.

    Zambelli já tinha depositado, em juízo, antes da decisão do bloqueio das contas, quase R$ 100 mil. A quantia não cobria toda a indenização definida na Justiça. O novo valor completa o valor a ser pago, já contados juros, correção monetária e honorários advocatícios.

    Fonte: Metrópoles.

  • Atacar Justiça Eleitoral equivale a ‘atacar a democracia’, diz Fachin

    Presidente do TSE participou de reunião do Observatório da Transparência nas Eleições e voltou a defender a integridade das eleições

    O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, voltou a defender nesta segunda-feira a integridade das eleições e reforçou que atacar a Justiça Eleitoral “equivale a atacar a própria democracia”.

    “O Brasil tem eleições íntegras; o voto é secreto e o processo eletrônico de votação, conquanto sempre suscetível de aprimoramentos, é reconhecidamente seguro, transparente e auditável; e que são imprescindíveis paz e segurança nas eleições porquanto não há paz sem tolerância e sem respeito mútuo”, disse Fachin. 

    A fala do ministro foi realizada na abertura da reunião do Observatório da Transparência nas Eleições (OTE) e ocorre na esteira de novos ataques ao processo eleitoral feitos pelo  presidente Jair Bolsonaro (PL) na semana passada.

    “O nosso êxito e credibilidade têm raiz na crença que compartilhamos de que a democracia é inegociável, de que a Justiça Eleitoral é um patrimônio imaterial da sociedade brasileira e de que atacá-la equivale a atacar a própria democracia. O TSE norteia-se por premissas técnicas, mas elas estão imbricadas às premissas democráticas inafastáveis, inegociáveis, que nos animam”, afirmou o ministro.

    O observatório foi criado em setembro de 2021 e é formado por várias instituições da sociedade civil, com a finalidade de colaborar com a Comissão de Transparência das Eleições (CTE) do TSE, que se reuniu na semana passada.

    “O regulamento do certame eleitoral está pronto para ser aplicado. Estamos empregando nosso lema: Paz e Segurança nas eleições”, disse o ministro.

    Fachin ainda reforçou:

    “A democracia é uma obra que se constrói coletivamente, a muitas mãos, a partir da pluralidade de visões, da convivência harmônica entre diferentes, da circulação de informações de qualidade e da defesa intransigente do Estado democrático de Direito. Assim, registro meu contentamento com a realização deste encontro e, também aos membros do OTE, externo a minha gratidão por terem aceitado esta incumbência”, apontou.

    Na quarta-feira da semana passada, durante cerimônia no Palácio do Planalto, Bolsonaro afirmou que é preciso ter a participação das Forças Armadas para que haja “confiança” no sistema eleitoral.

    O presidente também afirmou esperar que o TSE “dê uma resposta às sugestões das Forças Armadas”, mencionando especificamente a criação de uma “sala secreta” para que as Forças Armadas possam “contar os votos do Brasil”.

    Fonte: IG.

  • Ex-prefeito de MS e servidores são condenados em R$ 188,6 mil por desvio de recursos com notas frias

    Um empresário e uma empresa também foram condenados

    Sérgio Roberto Mendes, ex-prefeito de Sete Quedas, município localizado a 459 quilômetros de Campo Grande, foi condenado por improbidade administrativa pela criação de um esquema de emissão de notas frias para desvio de recursos públicos. 

    Ele, o ex-diretor de compras da prefeitura Alberi Hemerich, Roni Vo Bellei, ex-secretário de Finanças, o empresário Ghassan Saifeddine e a empresa Americana Comercial de Alimentos terão que pagar R$ 37.722,20 cada, totalizando R$ 188.611,00.

    Consta que o MPMS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) instaurou inquérito civil para apurar ilegalidades com gastos no Fundo Municipal de Saúde. O trabalho se estendeu a outros setores da prefeitura, quando os desvios com notas frias foram descobertos.

    A promotoria descobriu que várias notas frias estavam sendo emitidas em nome da Americana Comercial de Alimentos. Ao averiguar a legitimidade das compras, o MPMS sequer encontrou o estabelecimento, confirmando que a Americana era uma empresa de fachada. 

    Entre os anos de 2008 e 2009, teriam dado um prejuízo de R$ 31,8 mil e mais R$ 5.857,00 com a compra de materiais de construção, apesar de a Americana ser, por essência, uma distribuidora de alimentos. 

    O prefeito controlava os pagamentos e gastos. Alberi, como diretor de compras, recebia a lista de compras e apresentava as cotações e Roni, nas Finanças, efetivava os pagamentos. Ghassan, por sua vez, abriu a empresa em nome de terceiros.

    Ao avaliar o caso, o juiz julgou procedentes os fatos para condenar os envolvidos ao pagamento de R$ 37.722,20 cada em multa civil. O ex-prefeito teve também os direitos políticos cassados por 2 anos, assim como os demais envolvidos.

    Mais notas frias

    A 1ª Câmara Cível do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negou apelações e manteve decisão que condenou o ex-prefeito de Sete Quedas, Sérgio Roberto Mendes, por improbidade administrativa em junho do ano passado.

    Mendes, o ex-diretor de compras da prefeitura Alberi Hemerich e o ex-secretário de Finanças Roni Von Bellei foram condenados em fevereiro de 2019. A sentença responsabilizou o trio por um esquema de emissão de notas fiscais frias, liderado a partir de 2005 pelo então prefeito para justificar a saída de recursos dos cofres da prefeitura.

    Fonte: Midiamax.

  • “Manifestações que pedem fechamento do STF são anomalias graves”

    Em dia de atos bolsonaristas, o presidente do Senado criticou as manifestações que pedem intervenção militar e destituição dos ministros do Supremo

    O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (foto), usou as redes sociais neste Dia de Trabalho para criticar as manifestações que pedem “intervenção militar e o fechamento do Supremo Tribunal Federal”.

    Em publicação no Twitter, o senador afirmou que o 1º de Maio “sempre foi marcado por posições e reivindicações dos trabalhadores brasileiros”

    E acrescentou:Mas manifestações ilegítimas e antidemocráticas, como as de intervenção militar e fechamento do STF, além de pretenderem ofuscar a essência da data, são anomalias graves que não cabem em tempo algum”.

    Os atos deste domingo em defesa do deputado federal Daniel Silveira, realizados em diversas capitais, exibiam faixas e cartazes com ataques ao Supremo e pedidos de destituição de ministros da Corte.

    Fonte: Oantagonista.