MEC: Pastor lobista cobrou repasse internacional, diz primeiro delator

Dirigente do Avante afirma que Arilton Moura pediu doação para ‘obra missionária’, chama religioso de ‘pilantra’ e elogia ministro exonerado.

Um dirigente do partido Avante, do interior de São Paulo, afirmou nesta terça-feira que o pastor Arilton Moura, acusado de pedir propina para liberar recursos no Ministério da Educação, pediu-lhe doações para uma “obra missionária fora do país”, realizada por sua igreja.

O religioso é assessor de Assuntos Políticos da Convenção Nacional de Igrejas e Ministros das Assembleias de Deus no Brasil, e não tem cargo no MEC. O escândalo culminou na saída de Milton Ribeiro da pasta, com a exoneração do ministro publicada ontem no Diário Oficial.

Presidente municipal do Avante de Piracicaba, José Edvaldo Brito disse que o pedido foi feito durante negociação com o pastor, que intermediava a relação de gestores municipais com o MEC, para planejar um evento da pasta na cidade paulista de Nova Odessa.

Brito afirmou que levou o caso à Polícia Federal e que está esperando ser intimado para apresentar as provas. Ele afirma ser o autor de pelo menos uma das denúncias que chegaram à Controladoria-Geral da União (CGU) sobre o caso dos dois pastores acusados de cobrar propina a prefeitos para ajudá-los a destravar recursos junto ao MEC.


Ele declarou ter sido enganado por Arilton e que conseguiu uma doação de R$ 67 mil, por meio de um amigo “empresário cristão”, para a tal obra missionária, e que pensou se tratar de um projeto humanitário bem intencionado. Também disse não se lembrar em qual país seria feita a ação religiosa: “Haiti, algo assim, um país pobre”.

Comerciante e radialista apoiador do governo Bolsonaro, Brito atuou como organizador de um encontro do MEC chamado de “Gabinete Itinerante” realizado em Nova Odessa em 21 de agosto de 2021.

O evento contou com a presença do então ministro Milton Ribeiro, do presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Marcelo Ponte, e de gestores de 72 municípios, entre prefeitos, secretários de educação, além de deputados e vereadores. Compareceram também os pastores Gilmar Santos, também acusado de pedir propina, e Arilton. Os dois tiveram assentos de destaque e discursaram durante a cerimônia.

Ribeiro foi exonerado nesta segunda-feira, na esteira do escândalo de denúncias de ilegalidades envolvendo a distribuição de verbas da pasta. Ele se tornou alvo de uma investigação da PF e foi pressionado por lideranças evangélicas preocupadas com a repercussão do caso.

Aliados do presidente Jair Bolsonaro, que afirmou que colocaria “a cara no fogo pelo Milton”, temiam que o caso respingasse em sua campanha à reeleição. O GLOBO tenta contato com o pastor Arilton Moura.

Fonte: IG.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s