Risco de apagões no Brasil é maior entre outubro e novembro, dizem pesquisadores

Níveis de armazenamento do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste (SE/CO) podem chegar a uma média de apenas 12,6% de sua capacidade total até o fim de setembro

Especialistas e professores ouvidos pela CNN, neste domingo (26), apontam que o Brasil tem ‘grande chance’ de registrar apagões elétricos nos próximos dois meses, entre outubro e novembro de 2021, por conta da pior escassez hídrica vivida no país em pelo menos 90 anos.

Os dados mais recentes do Operador Nacional do Sistema elétrico (ONS) mostram que os níveis de armazenamento do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste (SE/CO) podem chegar a uma média de apenas 12,6% de sua capacidade total até o fim de setembro, patamar não registrado nos últimos 20 anos. Os reservatórios dessas regiões são responsáveis por cerca de 70% da geração hídrica de todo o país.

Para o ex-presidente da Eletropaulo e professor da USP Paulo Roberto Feldmann, a realização do racionamento elétrico será necessário nos próximos dois meses para reduzir os problemas hídricos no Brasil.

“Os próximos dois meses são os mais críticos, o problema é muito próximo. A seca não deve passar tão rápido, tudo vai depender da quantidade de chuva. Mas a realidade é que em outubro e novembro são os períodos com a maior chance de ter racionamento de luz no Brasil, acho que vai acontecer”, apontou.

Paulo Roberto Feldmann detalhou à CNN, neste domingo (26), o modelo de racionamento que pode ser adotado no país. Ele ressalta que brasileiros de determinadas regiões podem ficar até 2 horas por dia sem energia elétrica.

“Não podemos afirmar quanto tempo as pessoas vão ficar sem luz. Mas o racionamento não deve ultrapassar uma hora. Pode ir de até alguns minutos até duas horas. Tudo depende também da extensão. Se o Brasil inteiro passar por racionamento, precisamos de poucos momentos para gerar uma boa economia”, explicou.

O pesquisador e especialista em energia elétrica da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Diogo Lisbona também garantiu à CNN que os próximos dois meses serão os mais críticos da crise energética, já que, a partir de dezembro, o nível de chuvas deve aumentar no Brasil.

“Com a chegada do verão, nós entramos no período úmido. Ou seja, mesmo que o consumo elétrico das pessoas seja maior, as hidrelétricas voltam a ficar abastecidas.

Atualmente, estamos no período seco, o volume de chuva é muito pequeno. Fora isso, o que chove está abaixo da média. Nesse período do ano, nós realmente temos o costume de usar as reservas energéticas, mas não com tanta frequência como neste ano”, disse.

Fonte: CNN.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s