AUXÍLIO EMERGENCIAL DEVE SER ESTENDIDO ATÉ JUNHO

Resultado de imagem para auxilio emergencial

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse nesta sexta-feira (12) acreditar na viabilidade de uma nova edição do auxílio emergencial para o primeiro semestre de 2021.

“Há a expectativa do Congresso Nacional, que é uma expectativa da sociedade, de que seja autorizado o auxílio emergencial”, disse Pacheco pronunciamento com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

A declaração foi dada após almoço entre as quatro autoridades para debater as pautas prioritárias do Congresso e do governo federal.

“A nossa expectativa é que possamos ter no mês de março abril, maio e, eventualmente num quarto mês de junho, um auxílio emergencial”, concluiu o senador. Os quatro evitaram, porém, falar em valores para o novo benefício, ou mesmo como ele será aplicado – Ramos não discursou.

“Externamos ao ministro Paulo Guedes e ao ministro Ramos o que é o desejo e expectativa do Congresso Nacional […] A prioridade absoluta é vacina e auxílio emergencial, e elas só deixarão de ser prioridades quando a pandemia acabar”, afirmou Pacheco.

Segundo Paulo Guedes, o clima de trabalho entre Executivo e Legislativo é “extraordinariamente construtivo”. O governo trabalha na possibilidade de duas PECs sobre o tema.

O objetivo dos dois poderes é o auxílio ser autorizado sem prejudicar as contas públicas brasileiras. “A nossa expectativa é que o auxílio seja suficiente para que alcance o maior número de pessoas, com a responsabilidade fiscal que precisa se ter no Brasil”, afirmou Pacheco.

No mesmo pronunciamento, Pacheco disse que deve se reunir com o senador Márcio Bittar (MDB-AC) durante o carnaval, para acertar o relatório das propostas de emenda à Constituição (PECs) do Pacto Federativo e Emergencial. Bittar é o relator das duas propostas e do orçamento de 2021.

O objetivo é apresentar o texto aos líderes partidários na Casa na próxima quinta-feira (18) e aprovar as duas PECs até o início de março.

“Acredito muito que tenhamos um resultado muito positivo, que é conciliar o interesse público de ter o socorro às pessoas vulnerabilizadas com a responsabilidade fiscal que demonstre que o Brasil é um país série e que cuida de suas finanças”, disse Pacheco, em entrevista coletiva.

Fonte: Congresso em Foco.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s