Câmara Municipal de Rio Brilhante

A atual mesa diretora da Câmara municipal de Rio Brilhante está no comando da casa há quase 4 anos, e neste período embora alardeie que vem realizando um ótimo trabalho, fato é que transformou a casa de leis da pequena cativante, num puxadinho da prefeitura municipal. Em sua última sessão ordinária a mesa diretora resolveu retaliar o próximo prefeito, e colocou o projeto que reduz o salário do chefe do executivo em votação, dando como explicação de que tal medida se faz necessária pois o salários do prefeito seria reajustado anualmente, em conformidade com o aumentos dos servidores públicos, e de que o prefeito de Rio Brilhante teria um salário muito alto se comparado com outras cidades de porte maior.

Acontece que esta mesa diretora e a maioria dos vereadores tiveram 4 anos para proporem tal medida. Porque esse projeto não foi colocado em votação no primeiro ano de mandato do atual prefeito? Ou somente agora, após passarem todo o mandato sendo apenas meros coadjuvantes da política municipal, resolveram como último ato de seus mandatos agirem não em favor do povo, mas em favor de seus próprios interesses, votarem pela redução dos salários de prefeito e vice, no entanto, se quer se dispuseram a discutir a possibilidade de redução de seus salários, utilizando-se do argumento de que os vereadores de Rio Brilhante não recebem aumento de salário há pelo menos 3 gestões.

O vereador de 5 mandatos, João Pedro Alves, solicitou que o projeto fosse votado em outra sessão, para que além dos valores de redução do salário do prefeito e do vice, também, fosse avaliado a possibilidade de redução do salário dos vereadores, o que foi descartado de imediato, ou seja, foram corajosos para proporem a redução do salário do prefeito e do vice, mas não tiveram a mesma coragem para mexerem nos próprios rendimentos.

Teve até bate boca entre os vereadores Sergio Rigo e Wandressa Barbosa, pois Sergio Rio saiu em defesa do pedido de vista feito pelo vereador João Pedro que queria discutir a possibilidade de se reduzir o salário dos vereadores, o que gerou um inconformismo por parte da vereadora Wandressa que chegou a dizer que querer votar o projeto em outra data seria uma covardia. Votou-se a redução dos subsídios de prefeito e vice, mas sequer cogitaram reduzir os salários dos “defensores do povo”.

Em uma das passagens da bíblia, diz-se que não se pode servir a dois senhores, a atual mesa diretora provou que não serve nem ao povo nem ao interesses do povo, senão, aos próprios e duvidosos interesses.

Atualmente o salário do prefeito de Rio Brilhante, é de quase R$ 34 mil, com a redução aprovada no apagar das luzes de 2020, será de R$ 28 mil, enquanto que o do vice que atualmente é de cerca de R$ 18 mil foi reduzido para R$14 mil. Já o dos vereadores permanece em R$ 7 mil.