DEPUTADO JAMIL NAME É ALVO DE OPERAÇÃO DO GAECO

Promotores do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e policiais do Garras (Delegacia de Repressão a Assaltos a Banco, Roubos e Sequestros) foram às ruas nesta quarta-feira (2) para cumprir vários mandados de prisão e de busca e apreensão. Além de lacrar a Pantanal Cap, a 6ª fase da Operação Omertà mira o deputado estadual Jamilson Lopes Name (sem partido).

A operação cumpre um dos mandados de busca e apreensão na casa do parlamentar no Bairro Itanhangá Park. Eleito pelo PDT em 2018, Jamilson sucedeu o pai, Jamil Name, acusado de chefiar o grupo de extermínio, nos negócios da família. Ele ingressou com ação de interdição do patriarca.

O deputado também ingressou com pedido de insanidade mental do octogenário, que tramita na 1ª Vara Criminal de Campo Grande. A estratégia ocorreu logo após Jamil Name oferecer de R$ 100 milhões a R$ 600 milhões para um ministro de Brasília tirá-lo da cadeia e de amear de morte, durante audiência judicial, um agente do Garras.

No mês passado, com o objetivo de desvincular o Pantanal Cap da Operação Omertà, o parlamentar comemorou decisão da Justiça que considerou a loteria, com sorteios de carros e dinheiro aos domingos pelo SBT MS, legal e mandou devolver os documentos apreendidos na sede da empresa.

O deputado virou alvo na fase seguinte à Operação Snow Ball, que mirou o vereador Ademir Santana (PSDB). O Gaeco chegou a pedir a prisão do tucano por participar do esquema de extorsão majorada do empresário José Carlos de Oliveira, que perdeu todo patrimônio construído em 40 anos para a quadrilha.

Não há informações sobre os mandados nem quem será preso na 6ª fase da Operação Omertà. Jamilson só é alvo do cumprimento de mandado de busca e apreensão.

Ele não é a primeira autoridade a ser alvo da maior ofensiva da polícia e da justiça de Mato Grosso do Sul contra a suposta organização criminosa, considerada a maior e mais bem estruturada na história. O primeiro foi o tio, o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Jerson Domingos.

Com esta última fase, o Garras e o Gaeco tentam atingir uma das principais fontes de renda da família Name. Na 5ª fase, denominada Black Cat, os policiais foram às ruas para lacrar 500 bancas do jogo do bicho, atividade administrada há décadas na Capital.

Agora, com a Pantanal Cap, que deve ser lacrada e ter as atividades suspensas por ordem judicial, a Omertà mira a loteria, que tem aval do Governo federal para funcionar e se tornou a principal fonte financeira do grupo.

Fonte: Ojacaré.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s