Polícia Federal gravou 22 telefonemas Depois de ordem para interromper, diz jornal

O jornal Folha de S.Paulo, em parceria com o site The Intercept, publicou neste domingo (8.set.2019) 1 novo lote de conversas atribuídas a integrantes da força-tarefa da Lava Jato, no caso que ficou conhecido como Vaza Jato. A reportagem teve acesso a diálogos de agentes da PF (Polícia Federal) que monitoraram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em gravações de 22 conversas grampeadas depois da interrupção da escuta, em março de 2016.

Na época, o ex-juiz e atual ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) divulgou 1 telefonema entre Lula e a então presidente da República Dilma Rousseff. Na conversa, Dilma tratou sobre a posse de Lula como ministro da Casa Civil.

De acordo com as conversas obtidas pela reportagem, o ex-presidente demorou a aceitar o convite de Dilma para aceitar o cargo de ministro e só aceitou chefiar a pasta depois de ser pressionado por aliados políticos.

A PF grampeou duas conversas entre Lula e o então vice-presidente Michel Temer. Na 1ª, o petista disse ao emedebista que o avanço das investigações da Lava Jato criou risco para todos os partidos, não somente para o PT. Isso porque, na época, segundo Lula, os políticos estavam enfrentando rejeição com as manifestações pró-impeachment de Dilma.

Na 2ª conversa, Lula disse a Temer que eles deveriam ser “irmãos de fé”. O então vice-presidente respondeu dizendo que “sempre teve bom relacionamento” com o petista. Esse diálogo, no entanto, não foi incluído nos autos da investigação sobre Lula.

Segundo a Folha, 1 dos policiais, ao ouvir a conversa de Lula com Dilma, alertou a equipe da PF e foi orientado a fazer 1 relatório no mesmo instante.

Na conversa com Temer, ainda segundo a reportagem, o mesmo agente também relatou o diálogo, mas depois de 2h em que ele foi realizado. Os investigadores, no entanto, não instruíram o agente.

Uma semana antes do diálogo entre Lula e Dilma ser divulgado, o agente da PF Rodrigo Prado escutou Lula confirmar ao ex-ministro Gilberto Carvalho que havia recebido o convite para assumir a Casa Civil.

Lula passou a ter as conversas grampeadas em 19 de fevereiro de 2016. Nelas, segundo a Folha, o petista estava preocupado com o andamento das investigações da Lava Jato; temia que fosse preso; e buscava apoio, junto aos aliados, de autoridades do governo e ministros de tribunais superiores.

De acordo com as mensagens analisadas pela Folha Intercept, em 9 de março de 2016, o coordenador da forca-tarefa em Curitiba, o procurador Deltan Dallagnol, solicitou ao agente Igor Romário de Paula 1 CD com todos os áudios. Brincou ao dizer que estava “sem nada para ouvir no carro”.

No dia seguinte, ainda segundo a reportagem, Deltan disse a Igor que se reuniria com o procurador Januário Paludo para tratar do procedimento de sigilo das conversas. O intuito era divulgar os diálogos antes da nomeação do ex-presidente à Casa Civil, para manter o caso em Curitiba.

O então juiz Sergio Moro havia pedido relatórios com transcrições dos diálogos mais relevantes. Na véspera da nomeação de Lula, em 15 de março de 2016, a PF anexou ao caso 3 relatórios e 44 arquivos de áudio.

O convite para ser ministro de Dilma Rousseff foi aceito por Lula em 16 de março. No mesmo dia, enquanto os 2 se reuniam no Palácio da Alvorada, a força-tarefa seguia discutindo o sigilo das conversas. O procurador Dallagnol foi à PGR (Procuradoria-Geral da República), em Brasília, para obter 1 aval.

Depois de a imprensa ter noticiado a nomeação de Lula, Moro mandou interromper a escuta telefônica, às 11h12. Contudo, a demora das operadores de telefonia para cumprir a ordem do ex-juiz fez com que a PF continuasse a ter acesso, por 5 horas, às conversas do petista.

Segundo a reportagem da Folha e as mensagens obtidas pelo site Intercept, depois do encontro com Dilma, Lula conversou com sua assessora Clara Ant. Na ocasião, disse estar desconfortável com a nomeação como ministro.

“Diz que acabou de se foder. LILS [Luiz Inácio Lula da Silva] diz que ficaram discutindo até meia-noite. LILS tem mais incerteza do que certeza. LILS diz que não tem como escapar ‘dela’”, resumiu 1 agente aos investigadores.

Segundo as anotações da PF, ao falar com políticos, Lula expressou entusiasmo. Disse ser capaz de recompor a base de apoio da então presidente Dilma no Congresso e realizar mudanças na política econômica.

Em 1 diálogo com Dilma, às 13h32, o ex-presidente disse que só tomaria posse em 22 de março. Dilma avisou que uma assessoria iria entregar ao ex-presidente o termo de posse.

A conversa, de acordo com a reportagem, serviu para os investigadores da Lava Jato se anteciparem. Queriam prender Lula antes da publicação da nomeação do Diário Oficial da União.

Moro levantou sigilo dos autos às 16h19 daquele dia, mas não fez menção à conversa entre Dilma e Lula na decisão. Instantes depois, o procurador Eduardo Pelella, chefe de gabinete do então PGR Rodrigo Janot, chamou Deltan para entender a situação. Janot havia dado o aval solicitado por Dallagnol, mas não foi notificado de que a Lava Jato tinha grampeado a presidente da República.

“Tudo que sabemos é o que está nos relatórios que te entreguei”, disse Deltan, se referindo as transcrições da PF com os diálogos.

Eis trechos das conversas:

Eduardo Pelella

19:17:38 Vcs sabiam do áudio da Dilma?

19:17:59 Moro não menciona na decisão. E a gente não falou sobre isso

Deltan

19:22:57 Não

19:23:04 Parece que foi hoje cedo

Pelella

19:23:12 hoje cedo?

Deltan

19:23:13 Os relatórios foram fechados ontem

Pelella

19:23:17 Putz!

Deltan

19:23:22 Ouvi alguém falar que foi hoje cedo

Pelella

19:23:27 Não estão nos relatórios?

19:23:35 Caralhooo!!!

19:23:38 Vou ler aqui

Deltan

19:23:38 Relatórios são de ontem

19:23:54 Foram revisados hoje antes de juntar

19:23:59 Para não ter nada pessoal

19:24:12 Tudo que sabemos é o que está nos relatórios que te entreguei

A então presidente Dilma e a defesa de Lula questionaram a decisão de Moro. Argumentaram que a conversa não poderia ter sido grampeada, pois o ex-juiz já havia determinado o fim da escuta. Disse ainda que os autos da investigação também não poderiam ter sido divulgados sem que o STF (Supremo Tribunal Federal) tivesse dito alertado.

No dia seguinte, em novo despacho, Moro disse que não tinha prestado atenção no diálogo anexado no processo. “Não havia reparado antes no ponto, mas não vejo maior relevância”, disse.

O QUE MORO DIZ

O ministro Sergio Moro disse, por meio de nota, que não sabia dos telefonemas do ex-presidente Lula que a PF havia grampeado.

“O atual ministro teve conhecimento, à época, apenas dos diálogos selecionados pela autoridade policial e enviados à Justiça”, disse na nota.

“Cabe à autoridade policial fazer a seleção dos diálogos relevantes do ponto de vista criminal e probatório. Diálogos que não envolvam ilícitos não são usualmente selecionados”, acrescentou.

“Se o Ministério Público Federal também participou da seleção, o ministro da Justiça desconhece, mas, se ocorreu, isso seria igualmente lícito”, afirmou.

O QUE A LAVA JATO DIZ

Também por meio de nota, a força-tarefa disse que cabe à PF selecionar os diálogos relevantes e que “não houve seleção de áudios pelas autoridades quando do levantamento do sigilo [do caso de Lula]”.

“Havendo áudio ou qualquer outra prova de conduta ilícita por parte de pessoas com prerrogativa de foro, a Procuradoria-Geral da República ou outra autoridade competente é comunicada, sem exceção”, afirmou.

“Não havendo indícios de crimes, os áudios são posteriormente descartados, conforme previsto na legislação, com a participação da defesa dos investigados. Neste contexto pode ter havido a captação fortuita de diálogos de eventuais outras pessoas não investigadas”, acrescentou.

“As conversas que não revelaram, na análise da polícia, interesse para a investigação, permaneceram disponíveis para a defesa, que tem o direito de informá-las nos autos e utilizá-las”, observou.

A PF não quis se manifestar sobre a seleção de áudios anexados aos autos da investigação em 2016.

Fonte: Poder360.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s